Automóvel Associação de Leasing, Factoring e Renting critica declarações do ministro sobre carros a gasóleo  

Associação de Leasing, Factoring e Renting critica declarações do ministro sobre carros a gasóleo  

A declaração de Matos Fernandes "não tem qualquer base técnica e só pode ser entendida num contexto político desfasado da realidade do setor automóvel". diz a AFL.
Associação de Leasing, Factoring e Renting critica declarações do ministro sobre carros a gasóleo   
Mariline Alves
Lusa 29 de janeiro de 2019 às 14:54

A Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting comentou hoje não haver qualquer base técnica nas declarações do ministro do Ambiente, que previu falta de valor na troca dos carros com motor a gasóleo dentro de quatro anos.

 

"A referida afirmação não tem assim qualquer base técnica e só pode ser entendida num contexto político desfasado da realidade do setor automóvel", segundo a Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF).

 

Em entrevista publicada na edição de segunda-feira do Jornal de Negócios, João Pedro Matos Fernandes afirmou ser "muito evidente que quem comprar um carro 'diesel' muito provavelmente daqui a quatro ou cinco anos não vai ter grande valor na sua troca".

 

Para a ALF, as palavras do governante também "não espelham a realidade" e "não contribuem para reforçar a previsibilidade e estabilidade que devem nortear o esforço de redução das emissões dos veículos em que toda a sociedade está empenhada".

 

A associação sublinhou a evolução considerável dos motores a diesel referindo que a transição para automóveis híbridos e/ou elétricos "deverá processar-se de forma gradual, acompanhando a evolução natural do mercado e da crescente oferta de viaturas cada vez mais eficientes ao nível de emissões, sejam elas elétricas, híbridas, a gasolina ou a diesel".

 

Na segunda-feira, a Associação Automóvel de Portugal (ACAP) tinha já lamentado que o "sr. ministro não tenha ponderado o impacto das suas palavras na atividade das empresas do setor automóvel", até porque esta indústria é a "principal exportadora em Portugal" e o setor é o "principal contribuinte líquido do Estado, ao ser responsável por mais de 25% do total das receitas fiscais".

 

Já a Zero - Associação Sistema Terrestre Sustentável manifestou-se "de acordo com a questão levantada pelo ministro do Ambiente", e disse que têm perspetivas em "completa consonância" relativamente ao futuro próximo.

 

"Neste caso, estamos de acordo com a questão levantada pelo ministro", afirmou em declarações à Lusa o presidente da associação ambientalista Zero, Francisco Ferreira.

 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI