Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Estigma com produtos da China e quebra de turistas deixam restaurantes chineses em crise

Os empresários estão a registar quebras na ordem dos "50% a 60%" nos restaurantes chineses em Portugal, tanto ao nível da frequência em sala como no serviço de "take away".

Lusa 09 de Agosto de 2020 às 10:31
  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...
Os restaurantes chineses sofrem mais quebras no negócio do que os restaurantes nacionais devido ao estigma associado a produtos da China, país onde o novo coronavírus foi detetado pela primeira vez, e porque o turista asiático deixou de visitar Portugal.

"Muitas pessoas, de forma errada, faziam uma associação, muitas vezes por falta de informação e por receio, mas essencialmente não estão bem informadas, e pensavam que poderiam eventualmente ser infetados num restaurante chinês e isso obviamente não é verdade. São restaurantes seguros como tantos outros desde que cumpram as regras. Mas esse receio veio agudizar um pouco mais os problemas" sentidos pelos empresários chineses da restauração, destacou o presidente da associação nacional de restaurantes PRO.VAR, Daniel Serra.

O presidente da Liga dos Chineses em Portugal, Y Ping Chow, que é também dono do restaurante chinês no Porto - King Long - e presidente da Câmara de Comércio Portugal-China PME, avançou à agência Lusa que os empresários estão a registar quebras na ordem dos "50% a 60%" nos restaurantes chineses em Portugal, tanto ao nível da frequência em sala como no serviço de 'take away', assumindo também que a crise na restauração é mais severa junto dos restaurantes chineses, porque viviam muito da clientela asiática, que deixou de poder viajar para a Europa.

"Os restaurantes chineses tiveram uma quebra maior [do que os restaurantes portugueses], porque se trabalha muito com o turista asiático. Neste momento, há uma quebra muito grande neste tipo de turistas", reconheceu Y Ping Chow.

No Porto, o dono do restaurante King Long, aberto há mais de 45 anos no Largo Dr. Tito Fontes, junto à Travessa Alferes Malheiro, acrescenta que a quebra também se fez sentir junto dos clientes portugueses 'habitués', que estão também a sentir a crise económica, os cortes nos salários, passando a frequentar menos o espaço.

"Preferem restaurante de preços mais baixos", conta, salvaguardando que o restaurante chinês "não é caro", mas não será para "fazer refeições todos os dias".

Apesar da crise profunda instalada no setor da restauração chinesa, e que Ping Chow acredita que se mantenha mais um "ano e meio", as iguarias chinesas com mais procura no menu neste época de pandemia têm sido os "pratos de carne", principalmente de "pato e galinha", mas também "alguma vaca e porco", descreveu.

"Pato à Pequim ou pato lacado é muito conhecido e o cliente normalmente gosta", contou.

Gabriel Torres e a filha, Mafalda, decidiram quebrar o jejum de comida chinesa que fizeram durante a pandemia desde março e regressaram agora em agosto à "tradição familiar" de ir degustar um "shop soey de gambas", "arroz chao chao" e "pão chinês".

"É a primeira vez desde que começou a pandemia. Viemos comer o de sempre, que é a nossa tradição", contou Gabriel Torres, enquanto desinfetava as mãos à entrada do restaurante Chinês, o primeiro a abrir em Portugal há 54 anos e que faz parte programa Porto de Tradição, uma política que a Câmara do Porto implementou para salvaguardar o comércio local e tradicional.

O amante de gastronomia asiática assume que não tem medo de comida chinesa. "Temos de ter confiança nas instituições em Portugal como a ASAE (Autoridade de Segurança Alimentar e Económica)", declarou Gabriel Torres.

De forma envergonhada, por não dominar o idioma português, Chow Feng Ying , dona do Restaurante Chinês da Ponte, junto ao tabuleiro superior da Ponte Luís I, confessa à Lusa que o negócio "está muito mal", porque os turistas deixaram de ir ali comer.

"Está mesmo crise. Os turistas preferem comer português", explicou a empresária, referindo que, devido à pandemia, os clientes preferem ficar na esplanada do café português a comer "pão e a beber cerveja".

O restaurante Chinês, que antes do aparecimento do novo coronavírus fazia parte do roteiro dos turistas orientais que chegavam à cidade do Porto, regista atualmente quebras de 50% a 60% nos clientes.

A barreira cultural e linguística é também um entrave no acesso aos apoios governamentais aos empresários da restauração chinesa para que se consigam readaptar à nova realidade.

Segundo contou Daniel Serra, muitos empresários da restauração chinesa estão a "beneficiar do 'lay-off', mas não estão a beneficiar de outros apoios que existem, como por exemplo, o programa Adaptar", um programa implementado pelo Governo com benefícios a fundo perdido para adaptar o restaurante ao contexto de pandemia e que diz é "do desconhecimento da maioria".

O programa Adaptar prevê, por exemplo, o apoio à colocação das barreiras de acrílico, máscaras, sistemas de pagamento 'contactless' (sem contacto) ou site' de vendas de produtos, explicou.
Ver comentários
Saber mais China Portugal Ping Chow
Mais lidas
Outras Notícias