Comércio Governo acredita que empresas nacionais vão contornar efeitos das guerras comerciais

Governo acredita que empresas nacionais vão contornar efeitos das guerras comerciais

"Esperamos que estas guerras comerciais sejam contidas" e que "não afectem a dinâmica muito positiva das empresas portuguesas", afirmou o ministro da Economia.
Governo acredita que empresas nacionais vão contornar efeitos das guerras comerciais
Inês Lourenço
Lusa 14 de junho de 2018 às 07:57
O ministro da Economia afirmou esta quinta-feira, 14 de Junho, acreditar que as empresas nacionais vão contornar os efeitos negativos resultantes da decisão dos Estados Unidos de aumentar as tarifas do aço e alumínio para importações da União Europeia.

Manuel Caldeira Cabral, que acompanha a visita aos Estados Unidos do primeiro-ministro, António Costa, assumiu esta posição depois de interrogado pela agência Lusa sobre os efeitos para Portugal decorrentes de uma guerra comercial entre a União Europeia e os Estados Unidos.

"É cedo para se estimar esse impacto. Mas, em primeiro lugar, esperamos que estas guerras comerciais sejam contidas. Em segundo lugar, esperamos que não afectem a dinâmica muito positiva das empresas portuguesas", respondeu o titular da pasta da Economia.

Manuel Caldeira Cabral preferiu antes salientar que, nos últimos anos, "Portugal tem conseguido crescer nas exportações para os Estados Unidos".

"O que estamos a ver este ano é que esse crescimento continua, quer nas exportações de bens, quer nas exportações de serviços, que incluem produtos tecnológicos, mas também o turismo, que está a ter um crescimento fantástico no mercado norte-americano. Olhamos de forma positiva, quer para a parte do investimento, quer para a parte das exportações. Os Estados Unidos já são o nosso maior mercado fora da União Europeia e tem registado uma evolução muito interessante", alegou o ministro da Economia.

Numa alusão aos resultados da visita do primeiro-ministro aos Estados Unidos, Manuel Caldeira Cabral considerou que "o que se viu, por exemplo em São Francisco, demonstrou o potencial que as empresas tecnológicas têm para potenciar um crescimento enorme da economia e da criação de emprego". "Empresas que há dez anos não existiam hoje estão entre as maiores do mundo", acrescentou Manuel Caldeira Cabral.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Portugal e EU têm que tomar consciência qu nesta era TRUMP há uma nova América e o restante ocidente q sem ela n sobrevive tem q adaptar-se os amuos não resolvem problemas,agrava.os.O poder alemão sofre rude golpe,julgava q estava a tratar com os peqenos países mediterrâneos esqueceu-se do PODER EUA

ContribuinteX Há 1 semana

Empresas nacionais a receber subsídios da UE e do ESTADO e a pagar ordenados ao nível do 3.º mundo, não é? Assim também o Maduro, ó pá!!

pub