Comércio Vendas nos centros comerciais em Portugal cresceram 8,4% em 2017

Vendas nos centros comerciais em Portugal cresceram 8,4% em 2017

Em 2017, as vendas em centros comerciais portugueses registaram um crescimento de 8,4% e o número de visitantes aumentou cerca de 0,5%, após três anos a cair.
Vendas nos centros comerciais em Portugal cresceram 8,4% em 2017
Raquel Murgeira 04 de junho de 2018 às 13:29

As vendas nos centros comerciais em Portugal registaram um aumento de 8,4%, assim como o número de visitantes que cresceu 0,5%, depois de três em queda, segundo avança um comunicado da CBRE, consultora imobiliária, divulgado esta segunda-feira, 4 de Junho.

Apesar de, em 2017, ter sido positiva a tendência nas vendas em centros comerciais portugueses, nos EUA estes espaços seguem um caminho oposto. Isto porque muitos centros comerciais em território americano estão a fechar portas, um cenário que serviu de ponto de partida para este estudo.

"Certo é que as características e a situação do comércio nos Estados Unidos são bastante diferentes daquelas verificadas no nosso país, já que o grau do excesso de oferta, da obsolescência do stock e da penetração do comércio online em Portugal é muito menor do que nos Estados Unidos. Contudo, haverá desafios", afirma Cristina Arouca, directora do departamento de research da CBRE, citada no comunicado da empresa.

A consultora imobiliária acredita ainda que "o sector vive uma fase de grande transformação", especialmente devido ao "crescimento do comércio electrónico, mas também de uma mudança radical de mentalidade e de vivência". O estudo estima  que o modelo de centros comercias de há 30 anos vai ter de se adaptar a um novo estilo de vida, caso contrário "estão condenados ao encerramento".

O relatório da CBRE mostra que, na Europa, a densidade comercial, que inclui todos os formatos de retalho e de lojas de rua é em média de 1,2 metros quadrados por habitante. Em Portugal, situa-se nos 0,9 metros quadrados por habitante. Já nos EUA, é quatro vezes superior.  

O sector da restauração e do lazer foi dos que mais cresceu em centros comerciais, em 2017, de acordo com o estudo, que realça que nos EUA estes sectores estão menos desenvolvidos do que em muitos países europeus.

As vendas online têm tido um impacto significativo no comércio a retalho. Nos EUA o comércio online tem sido um dos factores mais significativos para a diminuição das vendas em centros comerciais. O comércio online representou cerca de 23% das vendas de comércio em 2017 neste país. O Reino Unido é o campeão no comércio digital, com 33% das vendas a serem realizadas através deste canal. Já em Portugal, o comércio electrónico está a crescer mas a um ritmo mais lento, representando cerca de 5% das vendas do comércio a retalho.

Apesar disso, os centros comerciais continuam a ser "um importante pilar da nossa sociedade e local de convergência", sublinha Cristina Arouca."Não é por acaso que operadores  pure play como a Zalando e a Amazon estabeleceram-se com lojas físicas para melhorar o serviço que prestam aos seus clientes. O sector está a responder de forma positiva, comunicando de maneira muito mais personalizada e usando os dados disponíveis para responder às expectativas dos consumidores", acrescenta.

O estudo da imobiliária realça ainda que "o mercado de investimento em centros comerciais está mais activo que nunca". No primeiro trimestre de 2018, foram transaccionados quatro centros comerciais em Portugal, o que representa um valor acumulado de 673 milhões de euros. Actualmente estão em comercialização outros 10 centros comerciais.




pub