Transportes Mais de 6 mil investidores compraram obrigações da TAP

Mais de 6 mil investidores compraram obrigações da TAP

A procura pelas obrigações da TAP pelos investidores particulares ficou 1,55 acima da oferta.
Sara Ribeiro 19 de junho de 2019 às 16:52

A dívida da TAP despertou o interesse de mais de mais 6 mil investidores de retalho. A procura pelas obrigações da transportadora aérea, da parte dos investidores particulares,  foi 1,55 vezes superior à oferta. 

 

Mais de 50% da procura foi de investidores particulares e segundo a presidente da Euronext, Isabel Ucha, "foi a maior emissão de obrigações de uma empresa portuguesa nos últimos anos".

 

No segmento geral a procura totalizou 162,4 milhões de euros e foram coladas obrigações no valor de 105 milhões de euros. Neste segmento foram mais de 6 mil os investidores que deram ordens, sendo que a maior parte (3.498) investiu entre mil e 5 mil euros. Os trabalhadores e clientes "miles&go", que tinham condições especiais, investiram 25,1 milhões de euros, ficando com 13 da oferta.

 

Já no segmento profissionais e contrapartes elegíveis foram colocados 95 milhões de euros junto de 35 investidores. Neste segmento a atribuição dos títulos era discricionária e definida pela TAP e pelos bancos colocadores.

Esta oferta destinada aos investidores de retalho arrancou a 3 de junho, mas a procura elevada manifestada pelos investidores logo nestes dias levou a companhia aérea a elevar em quatro vezes o montante que pretende colocar. O valor da oferta pública de subscrição de obrigações passou de 50 milhões de euros para 200 milhões de euros.

 

O período de subscrição desta que é a primeira emissão da TAP no retalho terminou a 18 de junho e as obrigações serão admitidas na bolsa portuguesa a 24 de junho. 

 

Como a TAP tinha explicado no prospeto, "as receitas decorrentes da oferta e da emissão das obrigações TAP 2019-2023 destinam-se a consolidar o passivo […]num prazo mais largado, através do refinanciamento de dívidas que se vencerão num futuro próximo, bem como à obtenção de fundos para […] financiar a sua atividade corrente]".

 

As obrigações, com um prazo de quatro anos, pagam uma taxa de juro bruta de 4,375%, sendo que no prospeto a TAP calcula que a taxa de rendibilidade ilíquida de impostos é de 4,42232% (pressupõe a capitalização dos juros recebidos) e a taxa líquida de impostos é de 3,17453%.

 

Cada título a emitir tem um preço de mil euros e paga juros semestrais ao longo dos quatro anos da emissão. As datas de pagamento estão previstas para 24 de junho e 24 de dezembro de cada ano, "exceto o último pagamento de juros, que está previsto ocorrer na data de reembolso das Obrigações TAP 2019-2023, ou seja, em 23 de junho de 2023".

A oferta da TAP chega ao mercado após um período de ausência de emissões de dívida para o retalho. À exceção das SAD dos clubes de futebol – o Benfica foi o último a emitir dívida, com uma taxa de 3,75% a três anos – e da Mota-Engil, que colocou 110 milhões de euros em títulos a quatro anos, em novembro de 2018, há vários anos que as empresas não procuravam esta via de financiamento nos mercados.

 

Já depois da emissão da TAP ter chegado ao mercado, a SIC anunciou uma emissão de 30 milhões de euros.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI