Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Unilever JM fecha unidade de Sacavém e integra todos os trabalhadores em Santa Iria da Azóia

É um investimento na Olá e na Becel e um desinvestimento no Dove e no Skip. A Unilever Jerónimo Martins vai investir 22 milhões de euros na modernização das unidades fabris de produtos alimentares em Santa Iria da Azóia, descontinuando o espaço em Sacavém, onde produzia os produtos para a casa e de cuidados pessoais.

Bloomberg
  • Assine já 1€/1 mês
  • 11
  • ...

A Unilever Jerónimo Martins vai encerrar a unidade de produção em Sacavém até ao final de 2013. A actividade fabril será integrada no centro de produção de Santa Iria da Azóia. A decisão resulta do investimento nos produtos alimentares e o fim das linhas de produção de bens de cuidados pessoais e para a casa em Portugal.


Até aqui, esta empresa que resulta de uma parceria entre a multinacional anglo-holandesa e a companhia portuguesa geria duas unidades fabris em Portugal: uma em Santa Iria da Azóia, onde são produzidos produtos de marcas como a Olá, Planta, Becel ou Calvé; outra em Sacavém, de produtos pessoais, com destaque para insígnias como a Axe, Dove ou Rexona, ou produtos para a casa, como Skip ou Cif.

 

Contudo, a Unilever Jerónimo Martins anunciou, através de um comunicado distribuído pelas redacções, que esta última unidade será descontinuada até ao final deste ano. A decisão resulta da nova estratégia industrial desta firma, uma parceria instituída em 1949.

 

“A Unilever Jerónimo Martins (ULJM) vai implementar uma nova estratégia industrial que passa pelo reforço e modernização das unidades fabris de produtos alimentares localizadas em Santa Iria da Azóia, num investimento inicial, até 2015, de 22 milhões de euros”, assinala a empresa no comunicado.

 

Empresa passa a exportar 50% da produção em 2015

 

Assim, a empresa passará a importar os bens das linhas de produtos para a casa ou de cuidados pessoais, já que os produtos destas marcas deixam de ser produzidos em Portugal. "[A Unilever Jerónimo Martins] vai continuar a abastecer o mercado português, via outras unidades fabris europeias do grupo Unilever, com as mesmas marcas que actualmente sao produzidas em Portugal", especificou fonte oficial ao Negócios

 

No sentido inverso, com este reforço da produção de margarinas, cremes para barrar e gelados, a companhia aumenta o peso das exportações de bens alimentares dos actuais 30% da produção total para 50%, sublinha o documento. "Os investimentos em curso deverão estar concluídos em 2014, pelo que é previsível que em 2015 a capacidade exportadora da Unilever Jerónimo Martins já terá ultrapassado os 50% dos actuais cerca de 30%", adiantou a mesma fonte oficial. 

 

Na unidade que se vai manter, de Santa Iria da Azóia, serão integrados "todos" os 80 trabalhadores de Sacavém. “A todos estes colaboradores serão confiadas funções equiparáveis e compatíveis com a sua experiência profissional, com manutenção dos actuais níveis de remuneração e reconhecimento da antiguidade adquirida”, acrescenta a Unilever Jerónimo Martins no comunicado. Ao todo, estão empregados na parceria um total de 427 trabalhadores.

 

“Com este programa de investimentos, estamos a adoptar novas tecnologias, a aumentar a capacidade instalada e a introduzir novos processos de fabrico, o que nos permitirá dar a resposta mais adequada às necessidades e aos desafios do futuro”, refere António Casanova, o presidente da empresa, citado na nota de imprensa.

 

A Unilever Jerónimo Martins, detida em 55% pela primeira e em 45% pela portuguesa, é o negócio que marca a presença da empresa portuguesa no segmento industrial, com linhas de produção, mais conhecida pela sua presença no retalho e distribuição com a marca Pingo Doce.

 

A par desta “joint-venture” com a multinacional, a empresa gerida por Pedro Soares dos Santos também tem um braço industrial na Gallo Worldwide, do negócio de azeites. Os azeites e óleos deixaram de fazer parte da produção da Unilever Jerónimo Martins em 2009 para passar a ser uma unidade independente (embora com a mesma estrutura accionista - Unilever 55%; JM, 45%). Também já foram abandonadas outras linhas de produção como os produtos de padaria e pastelaria ou alimentos congelados, da Iglo.

 

(Notícia rectificada às 16h02: No título estava, por lapso, indicado Santarém quando se trata de Sacavém, como consta do artigo; Notícia actualizada às 16h11 com respostas de fonte oficial da Unilever Jerónimo Martins a questões do Negócios).

Ver comentários
Saber mais Unilever Jerónimo Martins Jerónimo Martins António Casanova
Mais lidas
Outras Notícias