Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Nos antecipa em dois anos a meta de quota de 30%

Até ao terceiro trimestre de 2016 a Nos detinha uma quota de mercado de 30,2%, antecipando em dois anos a meta estabelecida, após a fusão, de chegar aos 30%.

Miguel Baltazar/Negócios
Sara Ribeiro sararibeiro@negocios.pt 03 de Março de 2017 às 13:03
  • Partilhar artigo
  • ...

O presidente executivo da Nos, Miguel Almeida, revelou que a operadora terminou 2016 com uma quota de pelo menos 30%, antecipando assim os objectivos que a empresa tinha traçado, após a fusão, para 2018.

 

"Quando em Fevereiro de 2014 apresentámos a nossa estratégia de forma muito transparente, o que não é uma coisa muito habitual, o nosso objectivo era alcançar uma quota de mercado de 30%, na altura rondava os 25%", começou por explicar o responsável esta sexta-feira, 3 de Março, durante a conferência de apresentação dos resultados relativos ao ano passado.

 

"De acordo com os últimos números conhecidos, do regulador, no terceiro trimestre de 2016 a Nos tinha uma quota de 30,3%. Ou seja, antes do final de 2016 alcançámos a meta que nos tínhamos proposto até 2018", sublinhou Miguel Almeida.

 

O plano de negócios da Nos apresentado em 2014, após a fusão entre a Optimus e a Zon, previa que a operadora alcançasse uma quota de 30% até 2018.

 

A Nos fechou 2016 com um resultado líquido de 90,4 milhões de euros, um valor que representa um crescimento de 9,3% face ao ano anterior.

 

O resultado alcançado foi sustentado pelo crescimento consolidado em todas as linhas de negócio, com a Nos a registar receitas totais de exploração de 1,5 mil milhões de euros, mais 4,9% face a 2015.

 

O EBITDA (resultado antes de impostos, juros, amortizações e depreciações) situou-se em 556,7 milhões de euros, o que representou um crescimento de 4,4%, "mesmo apesar dos custos com conteúdos desportivos e custos regulatórios", apontou Miguel Almeida.

 

"Face a um futuro que é de confiança, o conselho de administração vai propor um dividendo de 20 cêntimos", um valor 25% superior ao montante pago em 2015, referiu o presidente executivo da Nos.

Ver comentários
Saber mais Miguel Almeida Nos quota telecomunicações
Outras Notícias