Turismo & Lazer Paula Amorim quer comprar e transformar a Comporta num JNcQUOI

Paula Amorim quer comprar e transformar a Comporta num JNcQUOI

A presidente do grupo Amorim formou um consórcio com o grupo imobiliário Vanguard Properties para comprar a Herdade da Comporta, cujo fundo proprietário está em insolvência. Na corrida ao negócio estarão também a luxemburguesa Oakvest e o aristocrata francês Louis-Albert de Broglie.
Paula Amorim quer comprar e transformar a Comporta num JNcQUOI
Paula Amorim, presidente do grupo Amorim.
Negócios 19 de maio de 2018 às 12:30

A marca JNcQUOI, nome do restaurante de luxo de Paula Amorim em Lisboa, é a cara do projecto desenhado por um novo consórcio candidato à compra da Herdade da Comporta, numa aliança entre a presidente do grupo Amorim e o grupo imobiliário Vanguard Properties, fundado pelo milionário francês Claude Berda, que vive na Suíça, avança o Expresso na sua edição deste sábado, 19 de Maio.

 

"Há, de facto, um consórcio sólido formado pelo maior grupo económico português, que tem como accionista Paula Amorim", confirmou o porta-voz de Claude Berda ao semanário, acrescentando que, assim que a venda seja decidida, estão "financeiramente aptos a concluir" a aquisição da Comporta.

 

José Cardoso Botelho, director da Vanguard, avança que o consórcio pretende adquirir 1.360 hectares de terreno na Comporta, não fala em valores - "o valor oferecido não pode, nesta fase, ser revelado", mas garante que "a oferta, à luz da informação disponibilizada, é justa e adequada, tendo em consideração os enormes desafios do projecto".

 

Aquando da oferta do empresário Pedro Almeida, que não foi firmada porque o Ministério Público não autorizou o levantamento do arresto da herdade, a avaliação da Herdade da Comporta rondava os 420 milhões de euros.

 

O consórcio Vanguard/Amorim quer concluir "as obras de infra-estruturas há muito iniciadas e terminar o campo de golfe, em primeiro lugar" e "dar início às obras de infra-estruturas nunca começadas", adiantou ainda ao Expresso o porta-voz de Claude Berda.

 

Na corrida à compra da Comporta estarão ainda a "holding" luxemburguesa Oakvest, que é controlada pelo empresário britânico Mark Holyoake, e, segundo a revista Visão, o aristocrata francês Louis-Albert de Broglie, filho de um antigo ministro de charles de Gaulle.

 

Detida pela Herdade da Comporta - Fundo Especial de Investimento Imobiliário Fechado, a herdade está à venda desde que os donos entraram em insolvência com o colapso do Banco Espírito Santo (BES). Agora, ou vende ou arrisca-se a ir à falência.

A Rioforte, sociedade do Grupo Espírito Santo em insolvência no Luxemburgo, é dona de 59% das unidades de participação do fundo,

 

Em Abril, os donos do fundo votaram contra o seu aumento de capital de 43 milhões de euros, sem terem avançado alternativas.




pub