Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bank of America ofusca bons resultados do Wells Fargo e Citigroup. Ações no vermelho

Enquanto o Wells Fargo e o Citigroup bateram as estimativas dos analistas, os resultados do Bank of America ficaram aquém das expectativas, com as ações a desvalorizar mais de 4%.

Bloomberg
Cátia Rocha catiarocha@negocios.pt 14 de Julho de 2021 às 16:35
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
Depois de o JPMorgan e o Goldman Sachs darem o pontapé de saída na apresentação de resultados da banca norte-americana, esta quarta-feira foram divulgados os resultados do Wells Fargo, Citigroup e Bank of America, ainda antes da abertura de Wall Street. Enquanto os dois primeiros superaram as estimativas dos analistas, o Bank of America ficou aquém das expectativas.

Ainda antes da abertura, tanto os títulos do Wells Fargo como do Citigroup avançaram, tendência que se manteve na abertura de Wall Street, mas que entretanto já inverteu. O Bank of America começou a cair na pré-abertura, mantendo a tendência de queda ao longo desta sessão.

O Wells Fargo, um dos seis maiores bancos dos EUA, apresentou receitas de 20,27 mil milhões de dólares (17,15 mil milhões de euros) no segundo trimestre do ano, contra os 17,77 mil milhões de dólares esperados pelos analistas, e um lucro de 6 mil milhões de dólares. Em comunicado, o CEO do banco, Charlie Scharf, indicou que a instituição financeira "beneficiou de uma recuperação económica contínua e mercado fortes que permitiram aumentar as margens de ganhos nos negócios de capital de risco e o progresso na área da melhoria de eficiência". Mas, ainda assim, o líder do banco notou que "os turbilhões de baixas taxas de juro e uma procura morna por empréstimos continuam".

Na abertura, as ações do Wells Fargo chegaram a subir 2%, atingido os 44,37 dólares. Por esta altura, os títulos já eliminaram os ganhos e estão agora a ceder 0,37% para uma cotação de 43,08 dólares. Este ano, as ações do Wells Fargo já subiram 43,2%, a maior subida contra os colegas de setor JPMorgan ou Bank of America.

O Citigroup, que também apresentou resultados esta quarta-feira, reportou receitas de 17,47 mil milhões de dólares (14,78 mil milhões de euros), contra os 17,2 mil milhões antecipados pelos analistas. Ainda assim, as receitas do banco recuaram 12% face ao segundo trimestre do ano passado, com a queda dos cartões de crédito e as taxas de juro a pesar.

Já os lucros do segundo trimestre dispararam para 6,19 mil milhões de dólares, graças às perspetivas mais otimistas sobre a robustez do consumo nos Estados Unidos.

Depois da divulgação dos resultados do banco liderado por Jane Fraser, que assumiu a liderança em fevereiro deste ano, os títulos do Citigroup chegaram a subir 1,6%, ultrapassando dos 70,57 dólares. Os títulos do Citigroup já subiram 11% este ano, nota a CNBC.

Por esta altura, as ações do Citigroup já inverteram a tendência registada na abertura de Wall Street e estão a ceder 0,20%, a cotar 68,22 dólares.

Deste trio de instituições financeiras a apresentar resultados, o Bank of America foi o único que ficou abaixo das estimativas. Enquanto os analistas esperavam 21,8 mil milhões de dólares de receitas, o banco ficou-se pelos 21,6 mil milhões. Face ao mesmo período do ano passado, as receitas caíram 4%, justificadas em parte pelas taxas de juro mais baixas. O banco indicou que teve um lucro de 9,22 mil milhões de dólares no segundo trimestre, contra os 3,53 mil milhões de há um ano. 

Ainda antes da abertura do mercado, as ações do Bank of America caíram 1,8%. À medida que a sessão em Wall Street avança, os títulos agravam as perdas e estão agora a ceder 4,87% para 37,92 dólares.
Ver comentários
Outras Notícias