Bolsa Farfetch passa no teste da estreia e dispara mais de 40%

Farfetch passa no teste da estreia e dispara mais de 40%

A empresa fundada e liderada pelo português José Neves fechou a valer 28,35 dólares no dia de estreia na Bolsa de Nova Iorque.

A Farfetch, empresa que vende produtos de luxo online, encerrou o seu primeiro dia de negociação na Bolsa de Nova Iorque a valer 28,35 dólares.

 

Este valor corresponde a uma valorização de 41,75% face aos 20 dólares a que foram vendidas durante a oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) – que já na altura foi um preço superior ao esperado –, o que atribui à nova cotada um valor de mercado de 8,24 mil milhões de dólares.


Recorde-se que foram vendidas 44,2 milhões de acções no IPO, tendo a Farfetch encaixado 885 milhões de dólares (754 milhões de euros) nessa operação. 

 

As acções arrancaram a sessão de hoje nos 27 dólares, o que traduzia uma valorização de 35% face ao preço a que foram vendidas. A partir daí foi sempre a subir e chegaram a escalar 53%.


O último preço previsto para a venda das acções era entre 17 e 19 dólares por cada uma, isto já depois do valor ter sido revisto em alta devido à elevada procura, porque inicialmente a empresa liderada por José Neves tinha como objectivo entrar em bolsa a valer entre 15 e 17 dólares. 


José Neves, de 44 anos, detém 14,8% da Farfetch, pelo que a sua posição está avaliada num máximo de 1,21 mil milhões de dólares (pelo valor de fecho de hoje, o que corresponde a 1,03 mil milhões de euros).

 

O IPO traduziu-se numa subida considerável na fortuna de José Neves, que surgiu em nono lugar no ranking dos mais ricos de Portugal elaborado pela Forbes em Julho. Nessa altura, o empresário de Guimarães tinha um património avaliado em 689 milhões de euros, de acordo com a publicação. 

O comissário europeu da Ciência e Inovação, Carlos Moedas, congratulou-se num tweet com esta estreia em bolsa da Farfetch, dizendo que "hoje é um dia especial".

 

Ainda longe dos lucros

Ainda que a bolsa estivesse no horizonte da empresa que vende bens de luxo, a decisão de dispersar capital no mercado accionista surgiu meses depois de a Farfetch ter fechado uma parceria com o grupo Chalhoub, que opera também no segmento de luxo no Médio Oriente.

 

De acordo com o documento apresentado no passado dia 20 de Agosto, a Farfetch tinha 935.772 clientes activos a 31 de Dezembro, um aumento de quase 44%  face ao ano anterior.

 

No primeiro semestre deste ano, a Farfetch registou perdas de 68,4 milhões de dólares, um agravamento de 133% face ao período entre Janeiro e Junho de 2017.

 

Assim, a companhia avança para o mercado antes de conseguir obter lucros. Mas os prejuízos não são um entrave para estas empresas, que conseguem atrair rondas de investimento privado, antes da estreia em bolsa.


O Goldman Sachs, JPMorgan, Allen & Co e o UBS foram os responsáveis pela operação de entrada em bolsa.

 

 




pub