Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Ações da Sonae valorizam após resultados "fortes" no retalho alimentar

As ações da empresa liderada por Cláudia Azevedo abriram em forte queda mas recuperam e já estão em terreno positivo.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...

A Sonae já inverteu a tendência e negocia em alta, reagindo aos resultados do primeiro trimestre, marcados por prejuízos de 59 milhões de euros, com os analistas do CaixaBank BPI a destacarem que a empresa registou um "forte desempenho" na sua principal atividade.

 

As ações sobem 1,2% para 0,6735 euros a meio da sessão, recuperando de uma queda máxima de 3,83% para 0,64 euros. Desde o início do ano os títulos caem menos de 30%.


 

"O primeiro trimestre mostrou um forte desempenho no principal negócio da empresa (retalho alimentar), o que superou as nossas estimativas e o consensus do mercado", dizem os analistas do CaixaBank BPI, acrescentando que a evolução das vendas comparáveis em abril "tranquilizadora".

 

O banco assinala contudo as que provisões efetuadas na Sierra, na Worten e no negócio de moda justificam as perdas acima do previsto no primeiro trimestre.

 

Os analistas do CaixaBak BPI apontavam para prejuízos de 7 milhões de euros e a média das estimativas dos analistas apontava para resultados líquidos de 16 milhões de euros.

 

Num comunicado publicado ontem à noite, a Sonae justifica os prejuízos com a adoção de uma "postura prudente" face à pandemia da covid-19, adiantando que estes devem-se em exclusivo ao "registo prudente de contingências contabilísticas (non-cash), no total de 76 milhões de euros, diretamente relacionadas com a pandemia Covid-19 e, em particular, com o encerramento forçado da atividade em vários negócios".

 

O grupo optou por constituir provisões, no valor de 44 milhões de euros, relacionadas com stocks da Worten e da Sonae Fashion. O resultado indireto foi ainda impactado por provisões de 18 milhões de euros "relacionadas com projetos de desenvolvimento da Sonae Sierra". Se não tivessem sido constituídas estas provisões, o resultado líquido teria sido semelhante ao registado no período homólogo do ano passado.

 

O volume de negócios do grupo subiu 7,1% no trimestre, para 1.552 milhões de euros. O EBITDA subjacente recuou 2,4%, para 100 milhões de euros.

 

Os analistas do CaixaBank BPI apontavam para um volume de negócios de 1542 milhões de euros e um EBITDA de 105 milhões de euros.

 

O CaixaBAnk destaca pela positiva o aumento de 10,6% nas vendas comparáveis da Sonae MC, que ficou "claramente acima da concorrência".

 

O EBITDA ficou abaixo do esperado devido ao desempenho da Sonae Fashion e Sonae Sierra.

(notícia atualizada às 13:30 com inversão de tendência nas ações para terreno positivo)

Ver comentários
Saber mais Sonae Sonae Fashion CaixaBank BPI Worten Sonae Sierra
Mais lidas
Outras Notícias