Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

5 coisas que precisa de saber para começar o dia

Esta terça-feira a REN poderá estar a reagir à melhoria da recomendação para as suas ações por parte do BBVA. No radar dos investidores continuarão também as tensões entre Washington e Pequim, bem como o impacto da covid-19 e a reabertura das economias. Por cá, destaque ainda para os dados do emprego.

Negócios jng@negocios.pt 02 de Junho de 2020 às 07:30
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...
BBVA eleva recomendação para ações da REN

O analista Daniel Ortea Hernandez, do BBVA, melhorou a recomendação para as ações da REN – Redes Energéticas Nacionais, de ‘market perform’ para ‘outperform’. Ou seja, considera que têm potencial para um desempenho superior ao da média do mercado naquele setor.

 

O preço-alvo foi mantido em 2,90 euros, o que confere um potencial de subida de 18% às ações da REN face à última cotação de fecho. A média dos price targets para a empresa, compilados pela Bloomberg, é de 2,81 euros.

 

Tensões EUA-China continuam a centrar atenções

O renovar das tensões comerciais entre Washington e Pequim tem convidado à prudência dos investidores, o que abala as bolsas e as cotações do petróleo – e anima valores-refúgio como o ouro.

 

Os intervenientes nos mercados continuarão atentos a esta frente, ontem inflamada pelo facto de Pequim ter ameaçado os EUA de retaliação devido à sua condenação da lei de segurança nacional da China para Hong Kong. A China indicou às empresas estatais do país que devem suspender as compras de soja e carne de porco aos EUA.

 

Também a forte revolta social nos EUA, com manifestações e tumultos por todo o país contra as forças policiais, depois de o afro-americano George Floyd – de 46 anos – ter morrido às mãos da polícia, continua a ser motivo de receio.

 

INE divulga dados do emprego e impacto da covid-19 nas empresas

O dia vai ser marcado pela divulgação das estimativas mensais de emprego e desemprego para abril, do Instituto Nacional de Estatística (INE). Isto depois de, no mês passado, o instituto não ter divulgado a estimativa da taxa de desemprego relativa a março, pelo facto de o processo de recolha de informação ter sido dificultado pela pandemia. O INE apenas revelou os dados do desemprego em fevereiro, mês em que a taxa se situou nos 6,4%.

 

O INE divulga ainda o inquérito rápido e excecional às empresas, realizado na segunda quinzena de maio, que tem sido feito desde que o estado de emergência foi declarado. Este inquérito permite perceber o nível de atividade e os principais impactos que a crise da covid-19 está a ter no setor empresarial nacional.

 

No resto da Europa, outros dados económicos estarão também a centrar atenções. É o caso dos números do desemprego em Espanha no mês de maio e dos preços das casas no Reino Unido, também no mês passado.

 

Concertação social discute "lay-off"

O Governo convocou os parceiros sociais para uma reunião esta terça-feira, num encontro que terá como objetivo discutir o Plano de Estabilização Económica e Social.

 

Esta reunião da Comissão Permanente de Concertação Social, marcada a pedido da ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, tem também na agenda o ponto de situação das medidas relacionadas com a covid-19, nomeadamente o "lay-off" simplificado. Na semana passada, o primeiro-ministro disse que é preciso que o regime "evolua" para não se tornar "um incentivo negativo".

 

Protestos em Itália contra o governo

A oposição de centro direita, incluindo o líder da Liga, Matteo Salvini, tem planeadas manifestações em Roma nesta terça-feira.

 

Estas manifestações visam protestar contra a forma como o governo está a gerir o reinício da atividade económica no pós-covid.

 

Ver comentários
Mais lidas
Outras Notícias