Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Dow Jones escapa à maré vermelha nos EUA

Os principais índices bolsistas dos Estados Unidos encerraram em baixa, à excepção do Dow Jones, que foi impulsionado pelas petrolíferas e pela IBM. A maior queda foi protagonizada pelo Nasdaq.

Carla Pedro cpedro@negocios.pt 27 de Outubro de 2009 às 20:19
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...
Os principais índices bolsistas dos Estados Unidos encerraram em baixa, à excepção do Dow Jones, que foi impulsionado pelas petrolíferas e pela IBM. A maior queda foi protagonizada pelo Nasdaq.

As bolsas norte-americanas tinham aberto em alta, impulsionadas pelo anúncio de um aumento dos preços das casas em Agosto, em 20 cidades norte-americanas, pelo terceiro mês consecutivo.

No entanto, inverteram a tendência assim que foi divulgada uma queda inesperada da confiança dos consumidores norte-americanos em Outubro, pelo segundo mês consecutivo, pois intensificaram-se as dúvidas quanto á solidez da retoma económica.

Além disso, os receios de que mais governos de todo o mundo reduzam os esforços de estímulo à medida que a economia for recuperando estiveram também a contribuir para o movimento baixista.

No entanto, mais ao final do dia, o Dow Jones começou a ser impulsionado pelo anúncio de que o conselho de administração da IBM aprovou cinco mil milhões de dólares de fundos de recompra adicionais. Esta notícia não foi, contudo, suficiente para sustentar o Nasdaq, onde a IBM está também cotada.

O Dow Jones fechou a ganhar 0,14%, fixando-se nos 9.881,87 pontos. A animar o índice estiveram as petrolíferas Exxon Mobil e Chevron – impulsionadas pela subida dos preços do petróleo – e a IBM.

Em contrapartida, o índice tecnológico Nasdaq estabeleceu-se nos 2.116,09 pontos, com uma desvalorização de 1,20%. Os títulos que mais influência tiveram na tendência negativa foram a Apple, Google e Baidu.

O S&P 500 perdeu 0,34%, para 1.063,34 pontos. A contribuir para a queda deste índice estiveram essencialmente a Wynn Resorts e a Limited Brands.

A procura maior do que o previsto num leilão de Obrigações do Tesouro a dois anos também ajudou a penalizar as bolsas do outro lado do Atlântico.

A Alcoa, Walt Disney e Bank of America perderam terreno, pressionados pelo dado relativo à confiança dos consumidores.

Veja também:

As cotações dos principais índices

A evolução das acções do Dow Jones e Nasdaq 100


Ver comentários
Outras Notícias