Serena Williams e a doença infantil da política contemporânea

O tremendismo é a característica que melhor define o estado do debate público nas democracias ocidentais. Hoje em dia ninguém está apenas enganado ou errado.
Jornal de Negócios
pub
Francisco Mendes da Silva 11 de setembro de 2018 às 21:10

Ninguém viu mal um assunto ou simplesmente não pensou o suficiente no que disse. Ninguém comete lapsos contestáveis, ninguém toma decisões temerárias, ninguém retira conclusões duvidosas. Na política contemporânea, só há uma hipótese: as nossas posições são inteiramente correctas (sim, as nossas posições são sempre inteiramente correctas) e os nossos adversários são figuras monstruosas, cujas ideias são causa ou consequência de projectos odiosos, que devemos combater sem contemplação ou benefício da dúvida.

Não sei como chegámos aqui. Diz-se que este é o resultado da invasão do espaço público pelas redes sociais. Mas serão elas a causa da degradação do ambiente político ou a consequência de outros factores? A verdade é que a ditadura dos algoritmos não ajuda. Quanto mais nos fechamos em grupos virtuais de pessoas que partilham os mesmos interesses e opiniões menor é a noção de que também partilhamos todos, com os nossos amigos mas também com os nossos adversários políticos, um espaço comum.

Não há nenhuma democracia saudável sem a disponibilidade para aceitar que os outros também estão de boa-fé e que porventura até têm uma parte da razão. Todas as instituições democráticas existem precisamente por isso – porque se presume que é muito improvável que alguém tenha sempre, sozinho, a razão toda do seu lado, e que por isso é indispensável que as decisões políticas sejam tomadas num ambiente de conversação e síntese. Daí a liberdade de expressão, as eleições livres e os parlamentos. O tremendismo actual, com o seu simplismo e irracionalidade, não é uma versão avançada da democracia. É, pelo contrário, uma doença que a infantiliza.

O problema é hoje especialmente grave porque nos últimos anos a chamada "política identitária" foi erodindo a importância das categorias em nome das quais tradicionalmente se constroem as ideias políticas – a comunidade, a cidadania, o Estado, o Estado-social, a liberdade, a igualdade perante a lei – e colocando no centro das discussões políticas conceitos de circunstância pessoal que atomizam os membros de uma sociedade e os dividem consoante a cor da pele, o género ou a orientação sexual. Muitos autores têm alertado para os perigos desta evolução (Mark Lilla, mais à esquerda, ou Francis Fukuyama, mais à direita).

O que me causa mais impressão é a forma como, com base nestes novos critérios, cada pequena narrativa é uma grande narrativa. Dito de outro modo: a forma como qualquer circunstância pessoal, por muito imperceptível que seja o seu significado público, não só tem uma explicação profundíssima no "grande esquema das coisas" como é determinante para o futuro colectivo. Os livros que lemos, os filmes que vemos, as canções de que gostamos – tudo tem relevância política, mesmo que os seus autores nem sequer tenham pensado nisso.

pub

No fundo, há uma espécie de mistura entre a velha máxima de que "tudo é político", comum na vulgata marxista, e o individualismo liberal. Com a nuance de que ninguém pode ficar feliz. A política identitária está longe do colectivismo, da luta de classes e da explicação do mundo com base nas relações de poder sócio-económico. Por seu lado, o que um liberal quer é que a colectividade o deixe em paz, não que ela assuma as suas dores particulares.

Este ambiente, que é bastante opressivo, atingiu o seu zénite no último fim-de-semana, na final feminina do US Open, em que Serena Williams, com veemência absurda, contestou a arbitragem dizendo que estava a ser prejudicada por ser mulher. Só porque Williams desferiu o golpe do feminismo, aquele encontro passou a ser o tema político mais falado dos últimos dias, com quilómetros de papel de jornal escritos sobre tudo e mais alguma coisa menos o próprio jogo. Para mim tratou-se apenas de um jogo de ténis e as decisões da arbitragem foram apenas decisões de arbitragem, e nem sequer especialmente controversas (de acordo com o consenso dos especialistas). Mas será que posso pensar assim? Ou sou obrigado a ter uma opinião política sobre o assunto?

Advogado

pub