Gaspar: “PS negociou mal” memorando de entendimento

A polémica estalou no final da sessão parlamentar. O ministro das Finanças acusou o PS de ter negociado mal o memorando de entendimento, uma afirmação que caiu mal na bancada socialista com reacções de Fernando Medina e Vieira da Silva.
Jornal de Negócios
pub
Rui Peres Jorge 29 de maio de 2013 às 13:38

O ministro das Finanças considerou que o memorando de entendimento assinado com a troika foi mal negociado pelo PS, especificamente em relação aos prazos de reembolso dos empréstimos da troika e à taxa de juro cobrada, considerando que essa má negociação decorreu do facto do Partido Socialista ter adiado até ao limite o inicio da negociações com a troika.

“O PS negociou mal” o memorando defendeu Vítor Gaspar, justificando a responsabilidade política que o PS tem no memorando de entendimento e lembrando que, na versão inicial, o objectivo de défice para 2013 era de 3% do PIB, um valor que está agora nos 5,5%, lembrou numa sessão parlamentar na comissão de acompanhamento do programa de ajustamento.

Para o ministro das Finanças, o governo de José Sócrates adiou por tempo demais o pedido de assistência financeira, prejudicando a posição negocial de Portugal. “O adiamento do reconhecimento da situação e da negociação internacional fragilizou o País e conduziu a um resultado negociado muito oneroso para o nosso País”, afirmou.

“Acabou da pior forma”, respondeu Fernando Medina, deputado socialista. “Se já tínhamos percebido que não havia estratégia, agora sabemos que já só quer um bode expiatório” para o falhanço das suas políticas” atirou depois, acrescentando ainda que “esta é a narrativa política da sua saída ou da saída do Governo”.

Gaspar voltou ao tema para precisar que a “situação de fragilidade negocial” prejudicou o país especificamente nas taxas de juro acordadas com a troika, sendo que “os juros pagos têm sido reduzidos ao longo do tempo” e na “concentração das pagamentos dos empréstimos oficiais em 2016 e 2021”, o que também está a ser alterado.

pub

Desta vez a resposta chegou de Vieira da Silva, que preside à Comissão. O ex-ministro de Sócrates tirou a camisola de presidente, e usou o seu tempo final para falar de “divergência profunda” com a narrativa de Gaspar e lamentar que este usasse o tempo da Comissão para esse tipo de debate.

Vieira da Silva defendeu que Gaspar não pode ignorar que o memorando foi negociado por um Governo demissionário que caiu por recusa da oposição em aprovar o PEC IV, que era uma estratégia defendida pela Europa e pelo BCE.

A análise não “pode ser desligada das condições políticas que foram criadas no nosso país e que enformaram de forma decisiva” as negociações, nem pode ignorar “que o país rejeitou o apoio do Conselho Europeu e do BCE a uma solução que se sabia alternativa, pelo menos naquele momento”, disse Vieira da Silva.

“O sr. ministro de Estado e das Finanças optou por ocupar um parte da sua intervenção na apresentação da sua óptica e eu tenho o dever de aqui deixar uma expressão de profunda divergência da utilização deste tempo e desta comissão para esse efeito”, repreendeu ainda.

pub