Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Covid-19: Governo decide manter restrições na Área Metropolitana de Lisboa

O Governo decidiu manter o estado de calamidade em 19 freguesias e o estado de contingência na Área Metropolitana de Lisboa. Restrição ao comércio, ao número de pessoas permitidas por ajuntamento ou à venda de álcool mantém-se por mais 15 dias.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

O Governo decidiu manter o estado de "contingência" na Área Metropolitana de Lisboa (AML) e de "calamidade" em 19 freguesias. As restrições ao comércio, ao número de pessoas por ajuntamento ou à venda de bebidas alcoólicas vão manter-se nos próximos quinze dias.

A decisão foi anunciada pela ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, que no final de uma reunião com os autarcas dos concelhos mais afetados disse que, apesar do decréscimo dos casos, a situação ainda carece de "forte acompanhamento". Nos cinco concelhos que incluem as 19 freguesias mais críticas, as novas infeções desceram de 154 para 121 casos por 100 mil habitantes, segundo descreveu.

Assim, segundo revelou a ministra, "o Governo decidiu que vai manter a mesma regra para os próximos quinze dias de ter o país genericamente em estado de alerta, a AML em estado de contingência e as 19 freguesias [da AML] em estado de calamidade".

Decidiu ainda que vai manter ainda "o conjunto de regras que associámos a este estado de calamidade há quinze dias: desde logo a proibição de venda de álcool nas estações de serviço, a proibição de venda de álcool depois das 20h em qualquer estabelecimento, o encerramento da generalidade dos estabelecimentos às 20h e a limitação dos ajuntamentos, que será de cinco pessoas nestas [19] freguesias, dez pessoas no caso da AML e 20 no resto do país".

A decisão será formalizada num Conselho de Ministros que deverá acontecer amanhã, data em que termina a vigência das medidas que vigoram desde dia 1.

As medidas vão continuar a variar de acordo com a área geográfica e em função dos três diferentes níveis de alerta, tal como nas últimas duas semanas.

Apesar da decisão - que revela que o Governo não está "descansado" - Mariana Vieira da Silva também sublinhou que já se fazem inquéritos em 24 horas, que há inquéritos epidemológicos durante o fim-de-semana (o que tinha sido exigido por Fernando Medina) e que se reduziram as situações em que há dificuldade em contactar as pessoas.Na região de Lisboa, em termos de resposta do SNS, a situação está "muito controlada", com menos de metade das camas de cuidados intensivos e de internamentos dedicadas a covid-19 ocupadas.

Nos 18 concelhos da Área Metropolitana de Lisboa, que representa cerca de um terço do emprego a nível nacional (36% do PIB), vivem mais de três milhões de habitantes, segundo dados oficiais.


As 19 freguesias que estão em estado de calamidade, o nível mais elevado de alerta da proteção civil, desde dia 1 de Julho, são as seguintes:

  • Concelho de Amadora: Alfragide, Águas Livres, Falagueira - Venda Nova, Encosta do Sol, Venteira, Mina de Água (6)

  • Concelho de Sintra: União das Freguesias de Agualva e Mira - Sintra, Algueirão - Mem Martins, União de Freguesias do Cacém e São Marcos, União das Freguesias de Massamá e Monte Abraão, União das Freguesias de Queluz e Belas e Rio de Mouro (5).

  • Concelho de Odivelas: União das Freguesias de Pontinha e Famões, União das Freguesias de Póvoa de Santo Adrião e Olival de Basto, União das Freguesias de Ramada e Caneças e Odivelas. (4)

  • Concelho de Loures: União das Freguesias de Camarate, Unhos e Apelação, União das Freguesias de Sacavém e Prior Velho (3)

  • Concelho de Lisboa: Santa Clara (1)

A 1 de Julho a restante Área Metropolitana de Lisboa (excluindo estas 19 freguesias) ficou em "situação de contingência", um nível mais leve do que a situação de calamidade, enquanto o resto do território continental passou já para situação de alerta.

Em causa estão três níveis no âmbito da proteção civil, do mais preocupante ("calamidade" que exige medidas excecionais para repor a normalidade) ao menos preocupante ("alerta", que o primeiro-ministro já decide que não deverá desaparecer durante a pandemia).

Notícia atualizada às 18:45 com mais informação.
Ver comentários
Saber mais AML Pandemia Mariana Vieira da Silva
Outras Notícias