Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Portugueses recebem menos 344 euros por mês e rejeitam ir de férias para sul

Com quatro em cada 10 a reportar quebra de rendimentos superior a 500 euros por mês, a maioria dos portugueses não tenciona ir a restaurantes ou a “shoppings”, nem mesmo à praia, revela um inquérito a perto de 12 mil pessoas realizado este mês.

Bloomberg
Rui Neves ruineves@negocios.pt 29 de Junho de 2020 às 15:35
  • Assine já 1€/1 mês
  • 9
  • ...

Com a pandemia da covid-19, a grande maioria dos portugueses viu os seus rendimentos diminuírem face aos anos anteriores.

 

Mais de 40% garante que tem quebras mensais superiores a 500 euros, havendo mesmo 5,4% que reporta perdas superiores a 2.500 euros, enquanto 10,2% aponta para uma redução de entre 250 e 500 euros, havendo quase 30% que admite uma queda mensal inferior a 250 euros.

 

Feitas as contas, a média da quebra dos rendimentos dos portugueses ronda os 344 euros mensais, revela um inquérito a 11.800 pessoas, realizado entre 6 e 26 de junho pela plataforma de contratação de serviços locais Fixando.

 

Os inquiridos justificam esta quebra de rendimentos às consequências diretas da pandemia: despedimentos (29,1%), layoff (17,3%), obrigatoriedade de paragem de atividade (17,6%) e quebra na procura no ramo de trabalho (17%).

 

Cerca de 80% exclui possibilidade de ir de férias para sul em 2020, em particular Algarve e Costa Vicentina, mas o estudo indica ainda que, em julho, 51,5% não considera ir à praia, 64% não considera ir a um centro comercial e 66,6% não tenciona colocar o pé num restaurante.

 

Face à profunda crise provocada pela covid-19, um em cada quatro portugueses (24,4%) afirma já ter reduzido gastos, estando mesmo a poupar dinheiro: 61% deixou de frequentar restaurantes, 53% já não compra roupa nem sapatos, 48% não sai à noite e 36% deixou de frequentar ginásios.

 

Relativamente aos receios para o futuro, destacam-se a perda de rendimentos (45%), a incerteza quanto ao futuro (45%), contrair covid-19 (41%), ficar sem emprego (24%) e contagiar terceiros (23%).

 

"Estes resultados vão ao encontro ao que assistimos no comportamento dos portugueses na nossa plataforma, ou seja, os consumidores têm recorrido mais a serviços de apoio ao lar enquanto os profissionais desempregados adaptam-se a novas áreas de negócio, como os serviços de entrega", realça Alice Nunes, diretora de Desenvolvimento de Negócio da Fixando.

Ver comentários
Saber mais rendimentos inquérito férias restaurantes shoppings fixando
Outras Notícias