Economia Montepio prevê ligeiro abrandamento da economia portuguesa no primeiro trimestre

Montepio prevê ligeiro abrandamento da economia portuguesa no primeiro trimestre

A economia portuguesa deverá crescer 0,6% no primeiro trimestre deste ano, o que representa um ligeiro abrandamento face ao registado nos últimos três meses de 2017. Para 2018 o Montepio mantém a estimativa de crescimento de 2,3%.
Montepio prevê ligeiro abrandamento da economia portuguesa no primeiro trimestre
Lusa
Nuno Carregueiro 05 de março de 2018 às 14:46

O produto interno bruto (PIB) de Portugal deverá crescer 0,6% no primeiro trimestre deste ano, face aos três meses anteriores, o que representa um ligeiro abrandamento do crescimento em cadeia, face aos 0,7% registados no quarto trimestre de 2017.

 

Esta é a estimativa do Departamento de Estudos do Montepio, que liga este abrandamento à "ligeira desaceleração que antevemos actualmente para a Zona Euro" e surge depois de o INE ter confirmado que a economia portuguesa cresceu 2,7% no conjunto de 2017.

 

A taxa de crescimento em cadeia prevista para o primeiro trimestre é igual à registada no terceiro trimestre de 2017 e o Montepio assinala que "o abrandamento do crescimento em cadeia deverá vir sobretudo das exportações líquidas, que deverão apresentar um contributo nulo, após o forte contributo positivo do quarto trimestre".

 

No que diz respeito ao consumo privado, o Montepio antecipa que "poderá acelerar ligeiramente, suportado pela continuação da redução da taxa de desemprego e pelo aumento do rendimento disponível das famílias, em resultado do alívio fiscal resultante da entrada em vigo do Orçamento do Estado para 2018".

 

Para 2018, o Montepio mantém a previsão de crescimento de 2,3%, que tinha sido revista em alta de uma décima depois de o INE ter revelado a primeira estimativa para o PIB de 2017.

 

A estimativa do Montepio está em linha com os 2,3% previstos pela OCDE e pelo Banco de Portugal e acima dos 2,2% previstos pelo Governo no Orçamento do Estado de 2018, pelo FMI e pela Comissão Europeia.

 

O banco antecipa um ligeiro abrandamento do consumo privado, com a taxa de crescimento a passar de 2,2% para 2% e, sobretudo da formação bruta de capital fixo (FBCF), que passa de um crescimento de 9% para 5,3%. "Com um menor crescimento do investimento, admitimos também um abrandamento das importações, que deverão avançar menos do que as exportações, prevendo-se um ligeiro contributo positivo das exportações líquidas", refere o Montepio.




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 05.03.2018

A falência de um banco não resgatado faz destas coisas.

comentários mais recentes
Anónimo 24.03.2018

???????? ???????????? ?????? ????????????? ???? ???????¬???? ??????????, ??????? ????? ???????????????? ????????? ???????.
1. ?????????????? ??????????, ?????????? ??????????? ??-????????? ???????? ?????????-????????????? ???? ?????????? ??????? ? ?? ? ????????? ?????????? ?????????? (?????????-??

Anónimo 24.03.2018

???????? ???????????? ?????? ????????????? ???? ???????¬???? ??????????, ??????? ????? ???????????????? ????????? ???????.
1. ?????????????? ??????????, ?????????? ??????????? ??-????????? ???????? ?????????-????????????? ???? ?????????? ??????? ? ?? ? ????????? ?????????? ?????????? (?????????-??

Anónimo 05.03.2018

De que Montepio estamos a falar? Daquele que teve prejuízos de trezentos e tal milhões?

Anónimo 05.03.2018

O Montepio nunca previu coisa nenhuma, se o tivesse feito não estaria na falência tentando arrastar outros com eles.
Não têm vergonha, pois se a tivessem estavam calados e não davam palpites...vocês não valem nada e são simplesmente mais um encargo que os contribuintes terão de suportar

ver mais comentários
pub