Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

CDS força votação dos Programas de Estabilidade e de Reformas

No ano passado, o CDS levou os dois documentos a votos no Parlamento, mas PS, Bloco, PCP e PEV votaram contra a rejeição do mesmo, dando um sinal de união em torno dos relatórios.

Nuno Magalhães CDS
Miguel Baltazar
Lusa 13 de Abril de 2017 às 18:43
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
O CDS-PP vai ter uma iniciativa para levar a votos na Assembleia da República a sua alternativa aos programas de Estabilidade e de Reformas, disse hoje à Lusa o líder parlamentar, Nuno Magalhães.

"Obviamente que apresentaremos a nossa alternativa e, obviamente, por uma questão de coerência com o ano passado, transparência democrática e clareza, entendemos que deve ir a votos", disse à Agência Lusa Nuno Magalhães, questionado se o CDS-PP apresentará uma iniciativa que leve os documentos a votação no plenário.

Nuno Magalhães começou por afirmar que os centristas aguardam que o Governo envie esta quinta-feira o Plano Nacional de Reformas (PNR) e o Programa de Estabilidade para a Assembleia da República, "como ficou combinado na conferência de líderes".

"Mediante isso, o CDS irá estudar os documentos, como é seu direito e dever", acrescentou.

No ano passado, os centristas apresentaram um protejo de resolução que pedia a rejeição do Programa de Estabilidade e a revisão do Programa Nacional de Reformas, no sentido de "não reverter" as reformas estruturais do anterior Governo.

Essa foi a formulação votada no Parlamento, depois de o CDS-PP ter alterado o projecto de resolução que inicialmente recomendava que o Governo submetesse os programas a votação.

Assim, os centristas forçaram os partidos da esquerda (que apoiam o Governo no parlamento, mas que são contra as regras europeias na base da elaboração destes programas) a manifestarem-se através do voto.

A maioria que suporta o Governo uniu-se na altura na rejeição ao projecto de resolução do CDS-PP, com o PS, o PCP, o BE e o PEV a votarem contra, enquanto o deputado do PAN optou pela abstenção.

O Programa de Estabilidade e o Programa Nacional de Reformas foram aprovados esta quinta-feira em reunião de Conselho de Ministros e serão discutidos na próxima semana na Assembleia da República.

Na conferência de imprensa após o Conselho de Ministros, o ministro das Finanças, Mário Centeno, anunciou que o Governo espera que a economia portuguesa cresça 1,8% e que o défice orçamental caia para os 1,5% este ano.

Em Outubro do ano passado, aquando da apresentação do Orçamento do Estado para 2017, o Governo apontava para um crescimento da economia de 1,5% este ano e para um défice orçamental de 1,6%.

Já o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, quantificou que o Programa Nacional de Reformas "mobiliza mais de 26 mil milhões de euros".
Ver comentários
Saber mais CDS Programa de Estabilidade Programa Nacional de Reformas Nuno Magalhães Parlamento ministro das Finanças Mário Centeno
Mais lidas
Outras Notícias