Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bancos proibidos de cobrar AIMI aos clientes

Os bancos não poderão reflectir o valor do adicional ao IMI nas prestações dos contratos de locação financeira se estes não excederem os 600 mil euros. É a resposta a um problema identificado por clientes da CGD e denunciado pelo Bloco de Esquerda.

Filomena Lança filomenalanca@negocios.pt 15 de Outubro de 2018 às 10:25
  • Assine já 1€/1 mês
  • 13
  • ...

Os bancos que exerçam a actividade de locação financeira  "não podem repercutir sobre os locatários financeiros, total ou parcialmente, o adicional ao imposto municipal sobre imóveis" quando o valor patrimonial tributário dos imóveis em causa não ultrapasse os 600 mil euros, ou seja, o montante da dedução até ao qual os contribuintes singulares estão isentos deste imposto.

 

A regra consta da versão preliminar da proposta de Orçamento do Estado para 2019, a que o Negócios teve acesso, e é a resposta do Governo a um problema identificado por clientes de alguns bancos, caso da Caixa Geral de Depósitos, e denunciado no Parlamento pelo Bloco de Esquerda em Março deste ano.

 

O que se passava até agora era que a banca cobrava 0,4% do valor patrimonial tributário em regime de leasing imobiliário aos respectivos locatários. E isso mesmo para aqueles em que o montante contratualizado estava abaixo do limiar de 600 mil euros.

 

Recorde-se que em 2017 o Governo criou o AIMI, que incide sobre a soma dos valores patrimoniais tributários (VPT) dos prédios urbanos. Aos contribuintes singulares que detenham imóveis com um valor entre 600 mil e um milhão de euros é aplicada uma taxa de 0,7%, enquanto às empresas é aplicada uma taxa de 0,4% sobre a totalidade do VPT (sem a dedução de 600 mil euros).

 

Assim, ao cobrarem AIMI aos seus clientes de locação financeira em imóveis com VPT inferior a 600 mil euros, os bancos estavam a exigir-lhes um imposto do qual eles estavam isentos. O Bloco de Esquerda, considerando que esta prática "é inconcebível" e "distorce o propósito" do imposto, apresentou então uma pergunta ao Governo, que agora avança com uma proibição para impedir de vez que os bancos mantenham procedimento em causa.

Ver comentários
Saber mais Orçamento do Estado Parlamento Bloco de Esquerda AIMI economia negócios e finanças
Mais lidas
Outras Notícias