Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Operação Fizz: Orlando Figueira foi posto em liberdade

O ex-procurador estava em prisão domiciliária por decisão colectiva de juízes, mas o tribunal reviu as medidas de coacção.

Negócios 20 de Março de 2018 às 16:59
  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...
O ex-procurador Orlando Figueira (na foto) recebeu ordem de libertação por parte do tribunal, esta terça-feira, refere a Sábado. O magistrado é acusado de ter sido corrompido pelo ex-vice-presidente angolano, Manuel Vicente, e estava em prisão domiciliária desde 22 de Junho de 2016. 

O colectivo de juízes tinha decidido manter o arguido em prisão domiciliária, considerando que existia o perigo de fuga "pelo facto de o arguido ter familiares a viver noutros países, contas bancárias domiciliadas no estrangeiro – nomeadamente em Andorra — e relações de grande proximidade em Angola, designadamente as que lhe advieram dos factos pelos quais foi acusado", justificaram os juízes.

O arguido pediu para  ser ouvido pelo colectivo de juízes a fim de ser reavaliada a prisão domiciliária e foi então posto em liberdade.

Orlando Figueira, que responde em tribunal por corrupção, branqueamento, falsidade e violação do segredo de justiça, alegou várias vezes a sua inocência.

A 'Operação Fizz' assenta na acusação de que o ex-vice-presidente de Angola Manuel Vicente corrompeu Orlando Figueira, com o pagamento de 760 mil euros, para que este arquivasse dois inquéritos, um deles relativo ao caso da empresa 'Portmill', relacionado com a aquisição de um imóvel de luxo no Estoril. 

Manuel Vicente foi acusado de corrupção activa, mas o seu processo foi separado da 'Operação Fizz' no início do julgamento, numa altura de tensão nas relações diplomáticas entre Angola e Portugal e vários apelos públicos ao desanuviamento das mesmas.

Ver comentários
Saber mais Orlando Figueira Manuel Vicente Angola tribunal
Mais lidas
Outras Notícias