Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Moody's: Angola vai sair da recessão este ano e crescer 2,7%

O analista da agência de 'rating' Moody's que segue Angola disse hoje, em entrevista à Lusa, que a previsão de crescimento foi revista em alta para 2,7%, marcando o fim da recessão dos últimos cinco anos.

João Lourenço tem agora de combater os danos reputacionais causados pelo relatório da Pangea.
Pedro Catarino
Lusa 17 de Março de 2021 às 15:40
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
"Acabámos de rever a nossa previsão para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de Angola para 2,7% este ano", face aos 1,2% que a Moody's previa em setembro do ano passado, disse Aurelien Mali.

"A recuperação está sustentada no facto de o preço do petróleo ter estado a subir desde o nível mais baixo de 2020, prevendo um preço médio de 50 dólares por barril este ano, o que significa que se for cumprido e se a produção se mantiver estável nos 1,2 ou 1,3 milhões de barris por dia, tendo em conta os 39 dólares previstos no orçamento, e se for bem implementado, espacialmente nas despesas de capital, isso vai sustentar o crescimento económico", disse o analista na entrevista à Lusa, feita através de videoconferência a partir do Dubai.

"A receita adicional que o Governo angolano vai receber tendo em conta a evolução do preço do petróleo face ao preço previsto no Orçamento pode melhorar as contas públicas, permitindo limpar dívida atrasada ou apoiar as reservas internacionais", apontou o analista.

Em 2020, adiantou, as Reservas Internacionais Líquidas ficaram ligeiramente acima de 8 mil milhões de dólares (6,75 mil milhões de euros), "um pouco acima do acordado com o Fundo Monetário Internacional (FMI), devido ao apoio de instituições financeiras internacionais, repatriação de parte do Fundo Soberano, empréstimo adicional de 750 milhões de dólares [630 milhões de euros] do FMI e, muito importante, a reestruturação da dívida de um credor chinês, que valeu 2,4 mil milhões de dólares [2 mil milhões de euros] no ano passado, e deverá beneficiar de mais 2,5 mil milhões de dólares [2,1 mil milhões de euros] este ano".

Este ano, continuou, a situação parece ainda melhor, já que "as reservas poderão subir pela primeira vez desde há bastante tempo, principalmente com a manutenção elevada dos preços do petróleo, mas por outro lado a instabilidade macroeconómica vai manter-se porque a inflação está muito alta, com uma grande depreciação do kwanza nos últimos três anos", alerta.

Ainda assim, o analista mostra-se otimista: "A inflação deve começar a descer no final deste ano e a estabilização da taxa cambial pode levar a uma queda muito significativa do rácio da dívida sobre o PIB", disse Aurelien Mali.

A Moody's desceu em setembro o 'rating' de Angola pela segunda vez em 2020, afundando-o ainda mais em território de não investimento, e antevê que a economia tenha caído 4,2% no ano passado.

Prevê também que o segundo maior produtor de petróleo tenha tido uma dívida pública equivalente a 119,1% do PIB no ano passado, descendo para 100% este ano e 89,6% em 2022.
Ver comentários
Saber mais Angola Aurelien Mali
Outras Notícias