Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Banca italiana absorve dinheiro alemão para aproveitar 'tiering' do BCE

Os bancos italianos estão a aproveitar o novo sistema de 'tiering': lucram com o excesso de liquidez dos bancos alemães ao mesmo tempo que estes poupam face à alternativa de estacionar o dinheiro no BCE.

Tiago Varzim tiagovarzim@negocios.pt 03 de Dezembro de 2019 às 16:04
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
O sistema de escalões nos juros (negativos) dos depósitos dos bancos junto do Banco Central Europeu (BCE) está a beneficiar a banca periférica da Zona Euro, em particular a italiana, que está a absorver as poupanças alemãs. 

É isso que mostram os dados desagregados a nível nacional do BCE que foram divulgados esta terça-feira, 3 de dezembro, sobre a situação financeira do eurosistema onde é divulgado o ativo e o passivo de cada país em termos financeiros. 

O que está aqui em causa? Com a introdução do 'tiering' a 31 de outubro, os bancos passaram a ter um maior volume de depósitos junto do BCE que fica isento da taxa de -0,5% introduzida pelo banco central em setembro. Em concreto, além das reservas mínimas, o montante até seis vezes as reservas mínimas - um rácio que poderá mudar no futuro - também fica isento de pagar essa taxa negativa.

Esta "prenda" dada pelo BCE aos bancos para aliviar a pressão dos juros negativos criou uma oportunidade para os países onde o nível de depósitos junto do banco central da Zona Euro está aquém do novo limite. É o que acontece em Itália, principalmente, mas também noutros países como Portugal e a Grécia. 

Por outro lado, em países como a Alemanha, os bancos continuam a ter depósitos que excedem o novo limite (maior do que o anterior) a partir do qual deixa de haver isenção. Assim, os bancos alemães estão a canalizar esses fundos excedentários para os bancos italianos de forma a aproveitar essa isenção (remuneração a 0%) que lhe "sobra", evitando pagar a taxa negativa ao BCE.

Este fluxo de dinheiro entre a Alemanha e a Itália tem vindo a ser noticiado pela Bloomberg e o Financial Times, por exemplo, desde que o 'tiering' foi introduzido há pouco mais de um mês, mas estes últimos dados confirmam a tendência. Na prática, o que acontece é um processo de arbitragem no mercado interbancário em que os bancos italianos cobram menos aos bancos alemães do que os -0,5% do BCE.

Tal como antecipavam em outubro os analistas do banco suíço Pictet (ver gráfico), os bancos italianos eram os que tinham maior espaço para "lucrar" com a introdução do sistema de escalonamento, seguidos dos bancos portugueses.
Ao FT, um porta-voz do Banco de Itália confirmou esta hipótese que os números sugerem em novembro: "Ainda que as mudanças nos depósitos dos bancos italianos no Banco de Itália [faz o papel do BCE] são frequentes e podem estar a ser influenciados por uma série de fatores, o 'timing' do aumento sugere que esteve principalmente relacionado com a introdução do novo sistema de dois escalões no eurosistema". 

Citado pela Bloomberg, também em novembro, o membro executivo do BCE, Benoit Coeure, explicou que "no primeiro dia da operação do sistema de 'tiering' observou-se uma redistribuição considerável do excesso de liquidez". "[Esse fluxo de liquidez] afastou-se de países como a Bélgica, Alemanha e a Holanda e aproximou-se de países com depósitos isentos por usar, como a Itália", concluiu. 

No entanto, este é um efeito temporário uma vez que, assim que for atingido o limite, passará a ser menos vantajoso efetuar este fluxo de dinheiro dentro da Zona Euro.
Ver comentários
Saber mais BCE Banco Central Europeu política monetária banco central Christine Lagarde tiering
Mais lidas
Outras Notícias