Política Google diz que partido de Bolsonaro pagou 236 euros para divulgação de conteúdos

Google diz que partido de Bolsonaro pagou 236 euros para divulgação de conteúdos

A Google foi a única empresa a relatar, até ao momento, o pagamento pela difusão em massa de conteúdos online relativos à campanha eleitoral do político brasileiro da extrema-direita.
Google diz que partido de Bolsonaro pagou 236 euros para divulgação de conteúdos
Reuters
Lusa 12 de novembro de 2018 às 23:50

A Google informou esta segunda-feira o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que o Partido Social Liberal, do recém-eleito Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (na foto), pagou mil reais (cerca de 236 euros) pela disseminação de conteúdos na internet.

 

Já o Instagram negou que Jair Bolsonaro tivesse pago pela divulgação em massa de conteúdos na internet através desta rede social. O Instagram junta-se, assim, às redes sociais Twitter e Facebook que informaram hoje o TSE de que a campanha de Jair Bolsonaro não contratou empresas para disseminação virtual de conteúdos.

 

A Google foi a única empresa a relatar, até ao momento, o pagamento pela difusão em massa de conteúdos online relativos à campanha eleitoral do político da extrema-direita.

 

A resposta das empresas em causa foi dada ao juiz relator Luís Roberto Barroso, responsável pela prestação de contas da campanha de Bolsonaro.

 

Luís Roberto Barroso determinou, na passada quinta-feira, que os gigantes da internet WhatsApp, Facebook, Twitter, Instagram e Google respondessem, num prazo de três dias, se houve ou não contratação de divulgação de informação em massa a favor do candidato durante as eleições, seja pelo próprio ou por terceiros.

 

As eleições presidenciais, que culminaram no dia 28 de Outubro com a escolha de Jair Bolsonaro para a presidência do Brasil, foram o primeiro sufrágio com autorização para divulgação de conteúdo nas redes sociais.

 

No entanto, como regra, teria de ser identificado de forma inequívoca e contratado, exclusivamente, por partidos políticos, coligações, candidatos ou representantes.

 

A 18 de Outubro o jornal Folha de São Paulo revelou um suposto esquema ilícito envolvendo Jair Bolsonaro e empresários que teriam alegadamente patrocinado a divulgação de mensagens falsas pela rede social WhatsApp.

 

A prática, em tese, pode ser ilegal, caso seja considerada pela Justiça doação para campanha feita por empresas.

 

Desde 2015, as empresas estão proibidas de doar dinheiro par as campanhas.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI