Política Google diz que partido de Bolsonaro pagou 236 euros para divulgação de conteúdos

Google diz que partido de Bolsonaro pagou 236 euros para divulgação de conteúdos

A Google foi a única empresa a relatar, até ao momento, o pagamento pela difusão em massa de conteúdos online relativos à campanha eleitoral do político brasileiro da extrema-direita.
Google diz que partido de Bolsonaro pagou 236 euros para divulgação de conteúdos
Reuters
Lusa 12 de novembro de 2018 às 23:50

A Google informou esta segunda-feira o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que o Partido Social Liberal, do recém-eleito Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (na foto), pagou mil reais (cerca de 236 euros) pela disseminação de conteúdos na internet.

 

Já o Instagram negou que Jair Bolsonaro tivesse pago pela divulgação em massa de conteúdos na internet através desta rede social. O Instagram junta-se, assim, às redes sociais Twitter e Facebook que informaram hoje o TSE de que a campanha de Jair Bolsonaro não contratou empresas para disseminação virtual de conteúdos.

 

A Google foi a única empresa a relatar, até ao momento, o pagamento pela difusão em massa de conteúdos online relativos à campanha eleitoral do político da extrema-direita.

 

A resposta das empresas em causa foi dada ao juiz relator Luís Roberto Barroso, responsável pela prestação de contas da campanha de Bolsonaro.

 

Luís Roberto Barroso determinou, na passada quinta-feira, que os gigantes da internet WhatsApp, Facebook, Twitter, Instagram e Google respondessem, num prazo de três dias, se houve ou não contratação de divulgação de informação em massa a favor do candidato durante as eleições, seja pelo próprio ou por terceiros.

 

As eleições presidenciais, que culminaram no dia 28 de Outubro com a escolha de Jair Bolsonaro para a presidência do Brasil, foram o primeiro sufrágio com autorização para divulgação de conteúdo nas redes sociais.

 

No entanto, como regra, teria de ser identificado de forma inequívoca e contratado, exclusivamente, por partidos políticos, coligações, candidatos ou representantes.

 

A 18 de Outubro o jornal Folha de São Paulo revelou um suposto esquema ilícito envolvendo Jair Bolsonaro e empresários que teriam alegadamente patrocinado a divulgação de mensagens falsas pela rede social WhatsApp.

 

A prática, em tese, pode ser ilegal, caso seja considerada pela Justiça doação para campanha feita por empresas.

 

Desde 2015, as empresas estão proibidas de doar dinheiro par as campanhas.




pub