Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

PRR: plano do Governo mostra "um Estado socialista glutão", diz CDS

O presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, criticou este domingo aquilo que considera ser "uma receita gasta" no Plano de Recuperação e Resiliência, considerando que este documento mostra "um Estado socialista glutão, que se confunde com o PS".

António Cotrim/Lusa
Lusa 07 de Março de 2021 às 15:27
  • Assine já 1€/1 mês
  • 9
  • ...


No encerramento do XXIV Congresso Nacional da Juventude Popular - que elegeu Francisco Camacho como novo líder daquela estrutura -, Francisco Rodrigues dos Santos afirmou que o CDS-PP é capaz de "propor um plano de recuperação da economia que este Governo se revelou incapaz de construir".

"O Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) que o Governo apresentou mostra bem uma atitude estatista e centrada nas obras públicas, em vez de criar uma dinâmica económica, apoiando os mais pobres e as empresas dos setores mais afetados, que são as grandes vítimas desta crise", criticou.

Na perspetiva do líder do CDS-PP, "este PRR mostra ainda, cada vez mais, um Estado socialista glutão, que se confunde com o PS".

"Usa uma receita gasta, que já sabemos que não serve, desviando a enorme maioria dos fundos europeus para investimentos públicos de utilidade duvidosa em vez de os entregar às verdadeiras vítimas desta catástrofe que são as famílias e as nossas pequenas e microempresas", afirmou.

O resultado deste "método socialista", segundo Francisco Rodrigues dos Santos, foi Portugal atirado para causa da Europa.

"Ele [o método socialista] consiste em atirar dinheiro para cima dos problemas, o dinheiro desaparece, os problemas agudizam-se, mas as clientelas dos governos socialistas ficam sempre satisfeitas", condenou.

O Governo liderado por António Costa, nas palavras do presidente do CDS-PP, apresenta-se "aos eleitores como grande dono do dinheiro público, distribuidor de subsídios, criador de emprego público", acusando-o se ser ainda o "maior alimentador da sua principal base eleitoral, a administração pública".

"Estas são razões mais do que suficientes que levam o CDS a exigir a revisão do PRR e a sua imediata votação no parlamento", reiterou, uma ideia que já tinha defendido esta semana em comunicado.

O Plano de Recuperação e Resiliência, que Portugal apresentou para aceder às verbas comunitárias para fazer face às consequências da pandemia de covid-19, prevê 36 reformas e 77 investimentos nas áreas sociais, do clima e digitalização, correspondentes a um total de 13,9 mil milhões de euros de subvenções.

Depois de um primeiro esboço apresentado à Comissão Europeia em outubro passado, e de um processo de conversações com Bruxelas, o Governo português colocou a versão preliminar e resumida deste plano em consulta pública no início da semana passada.

Segundo o executivo, foram definidas três "dimensões estruturantes" de aposta - resiliência, transição climática e transição digital -, às quais serão alocados 13,9 mil milhões de euros de subvenções a fundo perdido das verbas europeias.

No documento, estão também previstos 2,7 mil milhões de euros através de empréstimos.


Ver comentários
Saber mais Estado Governo PRR Francisco Rodrigues dos Santos CDS
Outras Notícias