Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Rangel: Direção do PSD responderá "no momento certo" a "crise artificial"

"Acho grave que o primeiro-ministro tenha criado uma crise artificial no país, ela merece uma resposta na devida altura e tê-la-á na altura devida", afirmou o cabeça de lista do PSD às europeias.

Lusa
Lusa 04 de Maio de 2019 às 18:55
  • Assine já 1€/1 mês
  • 10
  • ...

O cabeça de lista do PSD às europeias, Paulo Rangel, acusou hoje o primeiro-ministro de criar uma "crise artificial" e assegurou que a direção nacional responderá "no momento certo" à ameaça de demissão de António Costa.


Em declarações aos jornalistas num evento de pré-campanha das europeias, em Gondomar – onde a presença do presidente do PSD, Rui Rio, foi cancelada durante a tarde -, Rangel acusou Costa de ter "um duplo padrão" e de ter desvalorizado, no passado, as mortes nos incêndios de 2017 ou o furto de armas em Tancos.


"Acho estranho que se faça esta dramatização e esta encenação que fez o primeiro-ministro António Costa quando, perante um caso grave como os incêndios de Pedrógão, desvalorizou – até foi de férias na altura -, quando perante um caso que põe em causa a soberania nacional como Tancos não deu importância nenhuma ou num caso que lança suspeições sérias, como o caso das famílias, também desvalorizou", criticou.


Na sexta-feira, o primeiro-ministro anunciou que comunicou ao Presidente da República que o Governo se demitirá caso a contabilização total do tempo de serviço dos professores seja aprovada em votação final global no parlamento, depois de o ter sido na especialidade na quinta-feira, apenas com votos contra do PS.


Paulo Rangel considerou que a questão da contagem integral do tempo de serviço dos professores está "mal enquadrada" e defendeu que a proposta do PSD "é responsável" e "tem condicionalidades", como o crescimento económico ou a consolidação financeira, podendo traduzir-se não apenas em pagamento, mas em antecipação de reformas ou redução de horários.


"Acho grave que o primeiro-ministro tenha criado uma crise artificial no país, ela merece uma resposta na devida altura e tê-la-á na altura devida", afirmou.

Questionado se o PSD irá assumir a responsabilidade de ‘segurar’ o Governo, o eurodeputado respondeu: "A direção nacional no momento oportuno falará", sem nunca precisar qual será esse ‘timing’.


"O que eu acho estranho é que se esteja a dar a uma crise artificialmente criada pelo primeiro-ministro esta importância e esta relevância toda. Quando se brinca com assuntos sérios, é preciso que as reações sejam dadas no tempo certo, não no daqueles que veem demasiadas séries de ficção política", disse.


Perante a insistência dos jornalistas, o cabeça de lista do PSD apenas repetiu que a direção nacional do PSD "falará no momento certo e não vai andar atrás do calendário político que o primeiro-ministro estabeleceu para si mesmo".


"Já tínhamos visto isto com António José Seguro, já tínhamos visto isto na formação do Governo (…) Os portugueses conhecem bem o doutor António Costa e o doutor Rui Rio, sabem quem é confiável, responsável, moderado. No momento certo terão a resposta e eu não vou dizer mais nada", acrescentou.

 

Ver comentários
Saber mais presidente do PSD PSD Paulo Rangel Rui Rio António Costa
Outras Notícias