Banca & Finanças Caixa tem mais de 4 mil milhões para aumentar quota nas empresas de Lisboa

Caixa tem mais de 4 mil milhões para aumentar quota nas empresas de Lisboa

O presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo, disse que o banco quer reforçar a sua quota em Lisboa, dispondo para isso de mais de quatro mil milhões de euros.
Caixa tem mais de 4 mil milhões para aumentar quota nas empresas de Lisboa
Miguel Baltazar
Lusa 23 de maio de 2017 às 21:23

Paulo Macedo afirmou esta terça-feira, 23 de Maio, a propósito da rede de agências da CGD em todo o território, que "há uma moda de dizer que, se a Caixa tem agências, então que as feche todas em Lisboa e que mantenha as outras abertas no interior".

 

E é uma opção da qual discorda. "Nós entendemos que não deve ser assim. A Caixa continuará a ter a maior rede de agências do país e continuará a servir o país de norte a sul, mas queremos acompanhar as agências de Lisboa de uma forma próxima", disse, recordando que o banco público tem uma quota de mercado de 27% em Lisboa, inferior à que se verifica no interior, que é de cerca de 45%.

 

"O que queremos é aumentar essa quota junto das empresas de Lisboa e, para isso, a CGD tem mais de quatro mil milhões de euros. O orçamento existe, a liquidez existe, os rácios de capital existem, assim haja projectos que seja possível aprovar", acrescentou aos jornalistas o CEO do banco, à margem do encerramento do 3.º Encontro Fora da Caixa, organizado pela CGD na Aula Magna, em Lisboa.

 

O presidente executivo da CGD deixou ainda uma mensagem de confiança: "A Caixa quer conceder crédito aos bons projectos porque tem liquidez e tem rácios de capital e tem rácios de transformação abaixo de 100%", lançou, considerando que "dizer isto desta maneira clara talvez seja alguma novidade relativamente há três anos".

 

Já quanto à dimensão da CGD e à sua capacidade operativa, Paulo Macedo defendeu que tudo depende do capital que o banco estatal tiver: "Quando se fala se a Caixa é uma caixa ou uma caixinha, obviamente que isso depende do capital que tiver. Se a Caixa tiver um elevado capital pode estar em todos os seus segmentos de mercado, pode ter operações no estrangeiro, mas, se não tiver capital, pois que terá alienar ativos e isto não é qualquer desejo ou capricho, é apenas uma consequência".

 

Aos jornalistas, quando questionado sobre se a CGD pretende fechar a sua operação em França, Paulo Macedo respondeu que a actividade naquele país "é rentável e próxima dos emigrantes", mas não se comprometeu de forma clara. "O que posso dizer é que gostaríamos de a manter", disse.

 

Quando interrogado sobre o encerramento do balcão de Almeida, o presidente da Comissão Executiva da CGD disse que sobre isso "não há qualquer dúvida nem qualquer dado novo" e que, por um lado, prosseguem as negociações com os autarcas para procurar "satisfazer as necessidades das pessoas" e que, por outro, todas os serviços prestados decorrem "com normalidade".

 

Paulo Macedo comentou ainda a saída de Portugal dos défices excessivos, considerando que a decisão de Bruxelas é "obviamente uma excelente notícia", não só "pelo que isso significa em termos de margem de manobra para o país", mas também pelo que representa "em termos de confiança".

 

Para o responsável da Caixa, "claramente" que o facto de Portugal "estar a cumprir as regras da União Europeia" e "ter havido unanimidade na decisão" são aspectos "bastante positivos".

 

E acrescentou que uma subida do 'rating' da República por parte das maiores agências de notação financeira é importante para todo o sector financeiro "mas é ainda mais importante no caso da CGD porque há uma grande ligação entre o 'rating' da República e o 'rating' da CGD".




pub

Marketing Automation certified by E-GOI