Banca & Finanças Carlos Costa: “Não participei nos 25 grandes créditos que geraram perdas para a CGD”

Carlos Costa: “Não participei nos 25 grandes créditos que geraram perdas para a CGD”

O governador do Banco de Portugal afasta quaisquer responsabilidades na concessão de créditos ruinosos enquanto foi administrador da CGD.
Carlos Costa: “Não participei nos 25 grandes créditos que geraram perdas para a CGD”
Rita Atalaia 19 de fevereiro de 2019 às 21:05
O governador do Banco de Portugal afasta quaisquer responsabilidades na concessão de créditos que acabaram por ser ruinosos para a Caixa Geral de Depósitos (CGD). Carlos Costa nega ter estado presente em reuniões onde foram aprovados estes empréstimos que geraram perdas para o banco estatal. 

"Não participei nos 25 grandes créditos que geraram perdas para a CGD", afirma Carlos Costa em entrevista no Jornal da Noite da SIC. Esta é a garantia deixada pelo responsável pelo banco central, que tem sido alvo de críticas dos vários partidos, da esquerda à direita, com alguns a pedirem mesmo a sua exoneração.

A polémica em torno do governador do Banco de Portugal intensificou-se depois de a revista Sábado ter revelado que Carlos Costa esteve presente em algumas reuniões onde foram aprovados créditos que acabaram por ser ruinosos para o banco público. Algo que o responsável nega. 

"Só ocasionalmente participava no conselho alargado de crédito. Não tinha competência de crédito, nem de risco, acompanhamento de clientes ou de controlo", afirma Carlos Costa, explicando que a sua participação "destinava-se a assegurar o número de administradores necessário para que a decisão" fosse tomada. 

"O que acontece é que houve uma reunião anterior em que se discutiu em que condições a Caixa podia participar numa operação de financiamento", referindo-se a Vale de Lobo. Foi uma "decisão de princípio", afirma, não estando ainda escolhido qualquer candidato à aquisição. "O que estava em causa era saber o que é que a CGD iria fazer, se participava ou não". 

O governador reforça que, entre 2004 e 2006, "nunca presenciei qualquer atitude ou movimento que lesasse os interesses da CGD do ponto de vista da concessão de crédito". 

 
Foi em fevereiro que Carlos Costa revelou ter pedido escusa nas decisões sobre a auditoria da CGD em novembro. Agora, o responsável explica que o pedido foi feito "em função da perceção exterior e não de qualquer convicção pessoal", esclarecendo que pediu escusa "no primeiro momento em que uma decisão relacionada com a auditoria chegou ao conselho de administração" do Banco de Portugal.

Quanto ao facto de a sua idoneidade não ser alvo de avaliação por parte do supervisor, Carlos Costa afirma que "não tenho de me considerar fragilizado por coisas que não cometi", sendo "falsidades que me atribuem". O responsável explica apenas que é a sua obrigação informar a comissão de ética do banco e do BCE sobre as operações em que participou e não participou e "se alguém tem provas que me ponha em causa, tem toda a possibilidade de percorrer o que está previsto no tratado e exonerar-me".


(Notícia atualizada às 21:25)



pub

Marketing Automation certified by E-GOI