Banca & Finanças CGD lucra 68 milhões de euros no primeiro trimestre

CGD lucra 68 milhões de euros no primeiro trimestre

A CGD registou um resultado líquido de 68 milhões de euros no primeiro trimestre do ano. No ano passado, o banco público tinha registado um prejuízo de 39 milhões de euros.
A carregar o vídeo ...
Diogo Cavaleiro 10 de maio de 2018 às 18:19

A Caixa Geral de Depósitos fechou o primeiro trimestre do ano com um lucro de 68 milhões de euros, o que compara com um prejuízo de 39 milhões de euros registados no primeiro trimestre de 2017. 

 

A margem financeira do banco presidido por Paulo Macedo deslizou 1,1% para 295,3 milhões de euros. A CGD justifica a evolução com efeitos cambiais, nomeadamente Angola e Macau.

 

A instituição financeira conseguiu mais 9% em comissões, que se fixaram em 116 milhões de euros, beneficiando sobretudo da subida em Portugal.

 

Nos resultados de operações financeiras, que deram um grande impulso nas contas de 2017 por conta de "swaps" de cobertura de taxa de risco, sentiram um deslize de 65% para 28 milhões. "Têm uma comparação desfavorável com trimestre homólogo", justificou José de Brito, o responsável pelas finanças da CGD.

 

Na soma de todos estes indicadores, o produto bancário deslizou 5% para 434 milhões de euros.

 

Já os custos de estrutura diminuíram-se em 9% para 297,5 milhões de euros no primeiro trimestre. Os custos com pessoal descem 8% e os gastos gerais reduziram 13%. O valor do trimestre inclui já 58 milhões de euros que estavam já constituídos desde o ano passado como provisão para reestruturação.

 

O resultado de exploração do banco subiu 5% para 136,3 milhões de euros, resultado de uma quebra dos custos superior à descida do produto bancário.

 

Contudo, o lucro tem um aumento muito mais expressivo com a ajuda das provisões. "As provisões e imparidades atingiram no período 12,6 milhões de euros, valor que compara com 108,3 milhões de euros registadas em Março de 2017, este último valor fortemente impactado pela constituição de provisões relativas a alienação de actividades internacionais", justifica a instituição pública.

Depósitos afundam 7%

 

O crédito malparado representa 11,4% do crédito total concedido pela instituição financeira, com uma cobertura de 60,1%. A cobertura, em Março de 2017, estava em 53%, e o rácio era de 15,3%.

 

Em relação ao balanço, o crédito a clientes bruto cedeu, em termos homólogos, 8,7% para 58.150 milhões de euros. Em Portugal, a CGD perdeu 14% do crédito a empresas, 13% no sector público e 4,6% nos particulares.

 

Nos depósitos, houve uma quebra de 7,4% dos depósitos de clientes, com uma perda de 4% na actividade doméstica e de 22% na actividade internacional, onde está a proceder à venda de unidades como em Espanha e África do Sul, e tendo encerrado também unidades "offshore".

 

O rácio de capital CET 1 situou-se em 13,6%, face a 14% de Dezembro, que o banco explica dever-se, em parte, à implementação de nova norma contabilística (IFRS9).


(Notícia actualizada, pela última vez, às 18:48 com mais informação)



A sua opinião27
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Parabéns: Contribuintes, Clientes, Colaboradores e Há 1 semana

e Administração.

Parabéns aos:

1-Contribuintes Portugueses:
como verdadeiros acionistas da CGD,
que pagam quando há prejuízos
e que beneficiam (alguma coisa) quando há lucros;

2-Clientes (Particulares e Empresas):
por viabilizarem a geração de lucros,
( tolerando Juros que recebem nos Depósitos que fazem,
e os que pagam nos Empréstimos que contraem,
e que serão tudo menos aliciantes; e irritantes Comissões de Manutenção),
e tolerando incómodos decorrentes do fecho de Balcões;

3-Colaboradores:
que se dispuseram a suportar com resignação alguma austeridade;

4-Last but not Least:
Admnistração, que não parece ter abusado da (alguma) latitude que sempre há em bancos
para ajustar o resultado líquido com certa flexibilidade.

Quanto ao aumento das Comissões,
expressa-se o desejo de que:
mais do que acréscimo das exigências de quotas colocadas à Rede de Vendas,
resultem de uma maior procura por:
- aumento de qualidade dos serviços/ produtos,
-maior incorporação de valor.

comentários mais recentes
Queixas e mais queixas Há 1 semana

A minha questão é só uma. Porquê que as pessoas se queixam e continuam a serem "comidas"? Só vejo uma resposta é porque gostam. Os "senhores" do Santander armaram-se em parvos com as comissões. Mandei-os pastar e abri conta no ActivoBank. Resultado mais de uma centena de euros poupados. Façam igual

Menoli Há 1 semana

Esqueci-me de dizer que um velho que lá tenha aqueles cem mil € e que recebem os tais € 50 ( menos o IC de 28%), fica com 36 € e tem que pagar cerca de € 5 por mês de manutenção de conta que totaliza cerca de € 60 no ano, pelo que ainda tem prejuízo de € 24 ao emprestar-lhes os cem mil. Só uma palavra: LADRÕES.

Menoli Há 1 semana

É natural, com o que roubam aos clientes em comissões e, sabem quanto pagam por um depósito a prazo num ano aos velhos? Pois aí vai 0,05%. Exacto: por 100.000€ pagam € 50, ou seja por €100 dão uma moedinha de 5 cêntimos num ano. Têm que enriquecer á custa dfos tótós e mesmo assim precisam que o governo os municie, pois são muitos a sacar.

alcpf Há 1 semana

Estes ladroes tiveram lucros à custa de extorquir dinheiro da minha conta e de milhares de outros portugueses... Roubam-me 2 x todos os meses... Uma para a manutenção de conta e outra para o credito habitação... 2x a não fazerem nada... Espero que assaltantes roubem essa porcaria!

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub