Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Espanha atira para Bruxelas indemnizações a lesados do Popular

O ministro da Economia espanhol acredita que o país se limitou a cumprir a legislação comunitária na resolução do Popular. Se alguém tem que pagar eventuais indemnizações a accionistas e credores é Bruxelas.

Costa diz que saída do holandês 'é uma questão de tempo'  e admite apoiar De Guindos - Em entrevista ao El País, António Costa não pede mais a demissão, afirma que a saída de Dijsselbloem do Eurogrupo 'é uma questão de tempo' (no máximo, concluirá o segundo mandato, em Janeiro de 2018) e admite apoiar Luis de Guindos, caso o ministro espanhol avance. O  Público fala em 'cortina de fumo': nota que o Madrid quer Guindos na vice-presidência do BCE e escreve que o Governo português ainda não recusou definitivamente a ideia de enviar Centeno para o Eurogrupo. Está à espera de evoluções na frente externa, designadamente do novo governo holandês e das eleições alemãs (Setembro).
Wilson Ledo wilsonledo@negocios.pt 11 de Julho de 2017 às 10:01
  • Assine já 1€/1 mês
  • 12
  • ...

O ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos, defendeu esta segunda-feira, 10 de Julho, que caberá a Bruxelas o eventual pagamento de indemnizações a accionistas e credores do banco Popular que recorram a tribunal.

"As decisões do FROB [fundo que liquidou o Popular] foram tomadas em nome do Conselho Único de Resolução", afirmou. Espanha acredita assim que se limitou a aplicar as regras comunitárias e que, em caso de litígio, caberá à União Europeia pagar as indemnizações, tendo em conta que os lesados avançaram para uma batalha legal.


O ministro garantiu ainda que "o contribuinte espanhol não pagará um euro pelo Popular". "Aplicaram-se as regras, preservou-se a estabilidade financeira e não houve nenhuma injecção de dinheiro público", acrescentou no Eurogrupo.


Visão diferente tem Bruxelas, numa fonte citada pelo El País. "Os afectados podem agir contra o mecanismo de resolução, que desenhou o plano de liquidação, ou contra o Frob, que o aplicou, ou contra a equipa de gestão do banco", explicou.


O Popular foi vendido ao Santander por um euro, como parte de uma medida de resolução no início de Junho. O regime pretende minimizar o uso de dinheiros públicos nas soluções encontradas para os problemas bancários.


No quadro da União Bancária, é ao Conselho Único de Supervisão que cabe este tipo de decisões. Até ao final de 2015, as autoridades de resolução responsáveis eram as nacionais.


Por isso mesmo, a mão foi do Banco de Portugal nas duas medidas de resolução aplicadas no país, que não deixaram de envolver dinheiros públicos: o Banco Espírito Santo (BES) e o Banif.


Enquanto o BES foi dividido em "banco bom" [o Novo Banco] e "banco mau" [mantendo o nome e reunindo activos considerados tóxicos], o Banif acabou por ser comprado pelo Santander Totta.

Ver comentários
Saber mais Luis de Guindos BES Conselho Único de Supervisão União Europeia Conselho Único de Resolução Bruxelas Popular Espanha Eurogrupo União Bancária Banco de Portugal Banco Espírito Santo Banif Novo Banco Santander Totta banca
Outras Notícias