Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Patrick Monteiro de Barros sai do ESFG convicto que desafios vão ser ultrapassados

Patrick Monteiro de Barros garantiu esta quarta-feira que deixa o conselho de administração da ESFG, holding que detém 25,1% do BES, por uma questão de disponibilidade, mas que tem uma "forte convicção" de que os desafios no grupo "vão ser ultrapassados".

Bruno Simão/Negócios
Negócios com Lusa 09 de Julho de 2014 às 10:13

Depois de ter sido comunicado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) que Patrick Monteiro de Barros renunciou ao conselho de administração da ESFG com "efeitos imediatos", o empresário emitiu esta quarta-feira, 9 de Julho, um comunicado "no sentido de evitar qualquer tipo de especulação que daí possa decorrer".

 

"Por razões de saúde, no último ano estive sujeito a tratamentos de grande exigência, que limitaram consideravelmente a minha disponibilidade. Essa fase foi, felizmente, ultrapassada com sucesso, mas entendo que, estando à beira dos 70 anos, este é o momento para me dedicar mais à minha família e me concentrar na atenção que devo dar à gestão das minhas empresas", esclarece o empresário.

 

Patrick Monteiro de Barros diz, no entanto, estar "consciente dos desafios que o Grupo Espírito Santo (GES) enfrenta", querendo, nesta altura, sublinhar "a forte convicção de que os mesmos serão ultrapassados, a bem dos accionistas, dos colaboradores e de todos quantos, ao longo do tempo, contribuíram para construir e fazer crescer um grupo empresarial que não perdeu a razão de existir".

 

Patrick Monteiro de Barros, um dos mais antigos aliados da família Espírito Santo, já tinha abandonado a administração do Espírito Santo International, holding de topo do GES.

 

No dia 24 de Junho, a ESFG revelou que José Maria Ricciardi também renunciou ao cargo de administrador da holding "com efeitos imediatos". No mesmo comunicado a ESFG informava que um outro administrador, Jackson Behr Gilbert, advogado em Miami, se reformou.

 

Monteiro de Barros deverá ser eleito para o conselho estratégico, que será presidido por Ricardo Salgado. Sem poder de decisão, este comité terá como missão assistir o conselho de administração na definição da estratégia societária, tal como o revelado no dia 20 de Junho pelo BES em comunicado.

 

O conselho, que vai dar pareceres não vinculativos, pode ter um máximo de 13 elementos.

Ver comentários
Saber mais Patrick Monteiro de Barros ESFG
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio