Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Alemanha anuncia abandono do nuclear até 2022

A Alemanha será a primeira potência industrial a renunciar à energia atómica, anunciou hoje o ministro do ambiente daquele país.

Lusa 30 de Maio de 2011 às 07:48
  • Partilhar artigo
  • ...
A Alemanha vai fechar os últimos reactores nucleares em 2022, tornando-se na primeira potência industrial a renunciar à energia atómica, anunciou hoje o ministro do ambiente daquele país.

A grande maioria dos 17 reactores alemães vai encerrar até ao final de 2011, e os três mais recentes estarão em funcionamento no máximo até 2022, precisou o ministro Norbert Röttgen, que qualificou a decisão de "irreversível", à saída da reunião de negociação, no âmbito da coligação governamental, com a chanceler Angela Merkel.

Dos 17 reactores nucleares activos no território alemão, oito já não produzem electricidade e não serão reactivados, adiantou o ministro.

A Alemanha deve encontrar forma, até ao final de 2022, de cobrir 22 por cento das suas necessidades de electricidade actualmente cobertas pelas centrais nucleares.

A meta de 2022 para o encerramento permanente dos 17 reactores nucleares alemães é quase um regresso ao calendário definido no início de 2000 pela coligação dos Verdes com os Sociais-democratas.

A chanceler alemã, tinha votado no final de 2010 um prolongamento de 12 anos da exploração dos reactores do país, contra a opinião pública alemã, causando um sentimento anti-nuclear no país.

Mas depois do acidente nuclear da central de Fukushima, no nordeste do Japão, em Março, Merkel parou imediatamente as centrais mais velhas da Alemanha e lançou o debate sobre o abandono da energia nuclear, que deverá conduzir a uma decisão formal na reunião do Conselho de Ministros de 06 de Junho.

A 23 de Março, a chanceler chegou mesmo a dizer que "quanto mais cedo sairmos da energia atómica, melhor".

Os últimos resultados eleitorais na Alemanha, em que a CDU perdeu terreno para os Verdes, também contribuíram para a mudança de discurso por parte de Merkel.

Ver comentários
Outras Notícias