Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Construtora Odebrecht deu a ex-director da mexicana Pemex três milhões de dólares

A construtora brasileira Odebrecht transferiu mais de três milhões de dólares para uma empresa presumivelmente ligada a um ex-director da Petróleos Mexicanos (Pemex) na campanha eleitoral de 2012, segundo a organização Mexicanos Contra a Corrupção e a Impunidade (MCCI).

Reuters
Lusa 14 de Agosto de 2017 às 21:07
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A organização não-governamental, que cita dados retirados dos estratos de conta do Meinl Bank, de Antígua - propriedade da Odebrecht -, garantiu hoje que a empresa brasileira fez várias transferências para a empresa do ex-director da Pemex Emilio Lozoya, a Latin American Asia Capital Holding, sediada nas Ilhas Virgens e descrita como "a empresa através da qual se pagavam subornos a Lozoya".

 

Director da Pemex entre finais de 2012 e Janeiro de 2016, Lozoya ocupava então o cargo de coordenador das Relações Internacionais na campanha do Partido Revolucionário Institucional (PRI), cujo candidato era o actual Presidente do país, Enrique Peña Nieto.

 

"A campanha presidencial de 2012 no México iniciou-se a 30 de Março e, três semanas depois, começaram a entrar os depósitos da Odebrecht", indicou a MCCI, acrescentando que quando acabou "o prazo para fazer proselitismo", a 27 de Junho, "quase ao mesmo tempo terminaram os envios de dinheiro" para a empresa ligada a Lozoya.

 

Os depósitos da Odebrecht continuaram a 7 de Novembro de 2012, mas a favor de uma segunda empresa, também ligada a Lozoya, chamada Zecapan, de acordo com a informação divulgada pela ONG.

 

Uns dias depois dessa data, Peña Nieto reuniu-se com Marcelo Odebrecht, como mostra uma série de mensagens de correio electrónico interceptada pela Polícia Federal do Brasil a que a ONG teve acesso.

 

O diário brasileiro Globo e a organização mexicana El Quinto Elemento Lab revelaram no domingo o conteúdo da declaração do ex-director da Odebrecht no México, Luis Alberto Meneses Weyll, que disse que em Março de 2012 Lozoya lhe pediu cinco milhões de dólares "como pagamento por tê-lo ajudado a instalar a empresa em Veracruz".

 

Odebrecht aceitou pagar-lhe quatro milhões de dólares, porque "Lozoya se perfilava como um funcionário influente no próximo Governo de Peña", salienta o relatório do MCCI.

 

No total, a Odebrecht terá pagado até 10 milhões de dólares a Lozoya em subornos para que a empresa brasileira ganhasse um concurso avaliado em 115 milhões de dólares para remodelar uma refinaria, segundo O Globo.

 

O advogado de Lozoya, Javier Coello, disse hoje à Rádio Fórmula que a informação publicada sobre o alegado envolvimento do seu cliente na trama de corrupção "é totalmente falsa" e que ele "é absolutamente inocente".

 

O próprio Lozoya negou no domingo, na sua conta da rede social Twitter, as acusações e pediu que sejam questionadas as denúncias feitas por "criminosos confessos" envolvidos no caso, porque podem pretender "uma redução da pena".

Ver comentários
Saber mais Javier Coello Ilhas Virgens Pemex ex-director da Pemex Emilio Lozoya Luis Alberto Meneses Weyll Antígua Odebrecht Polícia Federal do Brasil Latin American Asia Capital Holding Lozoya Enrique Peña Nieto México Marcelo Odebrecht política
Mais lidas
Outras Notícias