Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Ibersol quer crescer por aquisições em Espanha

A Ibersol quer crescer em Espanha através de aquisições, disse Pinto de Sousa na conferência de imprensa para apresentação dos resultados anuais da empresa, afirmando que esse é um objectivo muito importante para que a empresa ganhe dimensão. O grupo anun

Isabel Cristina Costa iccosta@negocios.pt 29 de Março de 2006 às 13:58
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A Ibersol quer crescer em Espanha através de aquisições, disse Pinto de Sousa na conferência de imprensa para apresentação dos resultados anuais da empresa, afirmando que esse é um objectivo muito importante para que a empresa ganhe dimensão. O grupo anunciou também a distribuição de um dividendo de 5 cêntimos por acção.

«Essa é uma decisão-chave. Temos que dar um salto», disse o vice presidente da Ibersol.

António Teixeira e Pinto de Sousa, presidente e vice-presidente do grupo de restauração, consideram que Espanha é um mercado muito competitivo, muito caro, pelo que exige cautela na abordagem. No entanto, querem reforçar a posição naquele mercado, através de aquisições e com a abertura de 6 a 7 lojas, ainda este ano.

Em Portugal, a Ibersol pretende fazer «um crescimento muito selectivo» planeando abrir entre 8 a 10 unidades contra as 26 aberturas registadas em 2005. A empresa justifica esta decisão com a retracção do consumo no mercado interno.

A expansão para Angola e Moçambique também está a ser considerada mas apenas para o longo prazo.

Resultados de 2005 ficaram abaixo das expectativas

Em 2005, a Ibersol registou um volume de negócios de 142,4 milhões de euros, o que representa um crescimento de 2% face ao ano anterior. Este resultado ficou muito aquém das expectativas de Pinto de Sousa e Alberto Teixeira, habituados a crescer mais de 20%.

«Quantas empresas em Portugal não gostavam de ter estes números? Mas, para nós, é muito pouco», disse Pinto de Sousa, na apresentação dos números relativos ao ano passado.

O grupo de restauração anunciou a distribuição de um dividendo de 5 cêntimos por acção relativo ao exercício do ano passado e afirma querer manter a empresa em bolsa.

Outras Notícias