Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Responsáveis da Galp encontram-se com Santander para negociar participação na Fenosa

Os responsáveis da Galp Energia encontraram-se com o Santander Central Hispano com o objectivo de discutirem a compra de uma participação de 22% que a instituição bancária detém na Union Fenosa, avança hoje o jornal espanhol «Cinco Dias», citando fontes l

Ana Filipa Rego arego@negocios.pt 21 de Setembro de 2005 às 09:31
  • Partilhar artigo
  • ...

Os responsáveis da Galp Energia encontraram-se com o Santander Central Hispano com o objectivo de discutirem a compra de uma participação de 22% que a instituição bancária detém na Union Fenosa, avança hoje o jornal espanhol «Cinco Dias», citando fontes ligadas à petrolífera portuguesa.

O Jornal de Negócios noticiou dia 7 de Setembro que o ministro da Economia, Manuel Pinho, defendia a compra da participação do de 22% do Santander na Unión Fenosa pela Galp Energia. Na altura, adiantou que já existiam contactos com o banco espanhol para o negócio, mas a sua realização poderia ser acelerada pela OPA da Gas Natural sobre a Endesa.

Ao comprar a posição do Santander na Fenosa, a Galp ficaria a maior accionista da terceira eléctrica espanhola, sendo o objectivo a prazo consolidar as duas empresas num novo grupo de energia com dimensão para concorrer com os espanhóis no mercado ibérico e com a EDP em Portugal. Esta solução poderia ainda facilitar um acordo com a ENI que controla 50% da Fenosa Gas.

Segundo o jornal «Cinco Dias» o encontro entre a Galp e o Santander, principal accionista da União Fenosa, aconteceu há alguns dias e os responsáveis da petrolífera acreditam que a a OPA da Gas Natural sobre a Endesa poderia configurar um novo mapa energético no qual a Union Fenosa desempenharia um papel «mais relevante» que o actual.

No entanto, a forte valorização da Union Fenosa deste ano de 32% tem tornado complicada a venda da participação da instituição bancária presidida por Emílio Botín. A Fenosa é a eléctrica ibérica com os múltiplos mais elevados do sector e este ano, pela primeira vez, o grupo de Honorato Lopez conseguiu superar a capitalização da Energias de Portugal.

No entanto, perante o cenário da OPA sobre a Endesa, alguns investidores, como a própria Galp, estão dispostos a pagar este «custo de oportunidade» para instalar-se em Espanha, segundo fontes conhecedoras dos contactos, citadas pelo «Cinco Dias».

Segundo a mesma fonte, é possível que para o grupo português seja a última oportunidade de acesso ao mercado espanhola. A união com a Fenosa complementaria o negócio de gás da Galp com o eléctrico da Fenosa, que mantém também uma decidida aposta na geração deste combustível. Para além disso colocaria a Galp-Fenosa numa posição de vantagem perante uma hipotética venda de activos eléctricos da Endesa que as autoridades da concorrência poderiam aconselhar para permitir a OPA da Gas Natural.

O mesmo jornal explica que existem ainda outras questões que tornam difícil a operação luso-espanhola, nomeadamente o défice português, que desaconselharia o montante que pode ser exigível a esta operação, bem como o facto da lei espanhola impor às empresas públicas do sector que não exerçam direitos políticos acima dos 3% sem autorização.

Ver comentários
Outras Notícias