Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Metalomecânica e têxteis já estão a sofrer com impacto do Brexit

A queda nas exportações para o país, que é o quarto mais importante nos dois sectores, é inegável. E 2017 poderá trazer notícias ainda piores.

Bloomberg
Alexandra Noronha anoronha@negocios.pt 18 de Janeiro de 2017 às 15:44
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

O Brexit, que deu mais um passo para ser concretizado, com o discurso da primeira-ministra Theresa May, esta terça-feira, 17 de Janeiro, já está a ter impacto nos negócios de muitas exportadoras nacionais. Tanto o sector da metalomecânica como os têxteis, que têm o Reino Unido entre os seus principais mercados, já estão a registar uma queda no negócio e antecipam que o ano que agora começou seja ainda pior.


Em declarações ao Negócios, Rafael Campos Pereira, vice-presidente da AIMMAP (Associação dos Industriais Metalúrgicos, Metalomecânicos e Afins de Portugal) contou que o mercado britânico pesava entre 10% e 12% das exportações anuais do sector e "estava em crescimento constante". Mas no passado mês de Novembro a tendência inverteu-se. "O mercado caiu 10% face a igual período de 2015. Estávamos a trabalhar em áreas técnicas e com sistemas municipais e multimunicipais, estamos preocupados", reconheceu o dirigente associativo.

O mercado [britânico] caiu 10% face a igual período de 2015. Rafael campos pereira, aimmap

Também o sector têxtil já está a notar um "arrefecimento" nas vendas para o Reino Unido. Paulo Vaz, director-geral da ATP (Associação Têxtil e Vestuário de Portugal) deu conta de uma queda de 1% até ao final de Novembro de 2016. "No início ainda podíamos atribuir estes dados apenas à desvalorização da libra, que diminuiu o valor dos produtos", mas agora o dirigente associativo teme que a questão esteja mais relacionada com o clima político. O mercado britânico é o quarto maior para as exportações do sector, com um total de 394 milhões de euros até Novembro. "Estava a crescer a 7% ou 8% ao ano", salientou Paulo Vaz, que reconhece que 2017 pode ser difícil, ainda que esteja optimista quanto ao desfecho do Brexit.
No início ainda podíamos atribuir estes dados [redução nas vendas] apenas à desvalorização da libra. Paulo vaz, director-geral da ATP

Apesar de tudo, ainda há quem esteja menos preocupado do lado das empresas. Paulo Silva, director-geral da Rico, fabricante de máquinas para a indústria acredita que a questão "não trará uma perda muito substancial para o nosso negócio". O mercado representa 9% das vendas da sociedade de Gondomar e é o quinto maior. "Ainda não notamos qualquer dificuldade adicional", garantiu Paulo Silva. Mas o empresário reconhece que caso sejam introduzidas "taxas alfandegárias, isso irá reduzir a nossa competitividade, mas ao mesmo tempo dos também a dos nossos concorrentes directos, uma vez que o Reino Unido não fabrica este tipo de equipamentos. Ficaremos numa situação semelhante a muitos outros mercados para onde exportamos e onde encontramos as mesmas dificuldades", explicou. "Jamais pensaremos em abandonar o mercado", salientou Paulo Silva, que acredita que o Reino Unido terá sempre "um grande potencial".

[O Brexit] não trará uma perda muito substancial para o nosso negócio. paulo silva, director-geral da rico

Não são só os empresários a temer os efeitos do Brexit. Como o Negócios noticiou em Dezembro do ano passado, mais de metade (52%) dos directores financeiros das empresas portuguesas ou de multinacionais que actuam em Portugal considera que a saída do Reino Unido da União Europeia vai ter um impacto negativo no seu negócio. As conclusões resultaram de um inquérito que a consultora Deloitte levou a cabo.


Theresa May admitiu esta semana que o Reino Unido irá optar por uma saída completa da União Europeia - um "hard Brexit" - e pedir a negociação, de raiz, de um novo enquadramento com os demais países da União Europeia. O país votou para sair da União Europeia num referendo polémico, que teve lugar em Junho de 2016. 

Ver comentários
Saber mais Reino Unido Theresa May Brexit AIMMAP Rafael Campos Pereira Paulo Vaz Associação Têxtil e Vestuário de Portugal ATP Paulo Silva Rico
Mais lidas
Outras Notícias