Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

"Urgência" do Estado atraca 77 milhões à Martifer

A "urgência imperiosa" e a "capacitação industrial" da West Sea, herdada dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo, levaram o Governo a descartar a abertura de um concurso para a construção de dois navios-patrulha oceânicos, adjudicando a operação à empresa do grupo Martifer por 77 milhões de euros.

Rui Neves ruineves@negocios.pt 08 de Junho de 2015 às 16:33
  • Assine já 1€/1 mês
  • 26
  • ...

Foi publicada esta segunda-feira, 8 de Junho, a resolução do Conselho de Ministros que autoriza a Marinha Portuguesa a adjudicar à West Sea, do grupo Martifer, a construção de dois navios-patrulha oceânicos (NPO), por um valor de até 77 milhões de euros.

 

O Governo explica que a adopção de um procedimento concorrencial para o efeito "revela-se incompatível com a urgência imperiosa associada à salvação dos interesses públicos identificados", que passam por ter em operação os dois navios-patrulhas, "no limite, no ano de 2018", sabendo-se que o "tempo de construção é estimado em dois anos e meio a três anos".

 

Por outro lado, sendo objectivo do Ministério da Defesa "garantir a integral uniformidade dos meios navais a adquirir", tendo em conta que foi nos estaleiros de Viana que se construíram os primeiros dois navios-patrulhas ao serviço da Marinha, conclui o Governo que a West Sea, enquanto subconcessionária dos estaleiros, é "a única entidade que dispõe das especiais aptidões técnicas e estruturalmente impostas pelas especificidades da construção naval deste tipo de navios para os construir em tempo útil".  

 

Decidiu então o Governo adoptar "o procedimento por negociação sem publicação de anúncio de concurso" para a aquisição dos dois navios-patrulha, "com fundamento na urgência imperiosa imposta por objectivos fundamentais de interesse geral".

 

Autorizou assim a Marinha a realizar a despesa relativa a esta compra, até ao montante máximo de 77 milhões de euros, a que acresce IVA, negociando para o efeito com a West Sea e a tecnológica Edisoft, em regime de consórcio a constituir no momento da adjudicação. 

 

Os 77 milhões de euros serão pagos em quatro tranches anuais: 17,3 milhões este ano, 37,2 milhões no próximo, 15,2 milhões em 2017 e 7,3 milhões de euros no ano seguinte.

 

Os primeiros dois navio-patrulha entregues (em 2011 e 2013) pelos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) faziam parte de uma encomenda inicial de oito NPO, assinada em 2004 pelo Ministério da Defesa, na altura liderado pelo actual vice-primeiro-ministro Paulo Portas, para substituir as velhinhas corvetas, com mais de 40 anos de serviço.

 

A construção dos restantes seria revogada pelo actual Governo, em 2012. Com o processo de reprivatização da ENVC que estava na altura a decorrer, o Executivo decidiu anular a encomenda à empresa estatal dos outros seis NPO, assim como de cinco lanchas de fiscalização costeiras, negócio avaliado em cerca de 400 milhões de euros. 

Ver comentários
Saber mais Mortífero West Sea Estaleiros Navais de Viana do Castelo
Mais lidas
Outras Notícias