Transportes Cativações à IP em 2018 são 3,3% do seu orçamento

Cativações à IP em 2018 são 3,3% do seu orçamento

A Infraestruturas de Portugal tem cativada, este ano, uma verba de 84 milhões de euros, o que "não causa neste momento preocupação especial", diz o seu presidente.
Cativações à IP em 2018 são 3,3% do seu orçamento
João Miguel Rodrigues
Maria João Babo 16 de maio de 2018 às 12:32

O presidente da Infraestruturas de Portugal (IP), António Laranjo, disse esta quarta-feira no Parlamento que, depois de nos últimos três anos as cativações aplicadas à empresa terem sido "muito elevadas", em 2018 o montante dos cativos é de 84 milhões de euros, ou seja, 3,3% do seu orçamento.

Na comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, o responsável garantiu aos deputados que este ano o montante de cativos "não nos causa neste momento preocupação especial".

António Laranjo (na foto) salientou ainda que, apesar de cativações elevadas entre 2015 e 2017, "nunca a IP conseguiu executar aquilo que é o seu orçamento disponível". Ou seja, "em qualquer um destes anos não tivemos capacidade para executar o orçamento que nos foi disponibilizado", já depois de descativações, disse.

É que "se ao longo destes anos tivemos cativos em centenas de milhões de euros", estes "terminaram sempre em 150 e 200 milhões", explicou.

Em 2017, o montante dos cativos aplicado inicialmente à empresa totalizou 360,8 milhões de euros, tendo conseguido ao longo do ano autorização para descativação de verbas associadas ao pagamento das PPP e para a rubrica de despesas com pessoal.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo Há 5 dias

O mal de Portugal é terem transformado as carreiras no sector público numa espécie de Estado Social paralelo onde a prestação social se chama salário em vez de subsídio temporário de desemprego ou rendimento mínimo.

Saber mais e Alertas
pub