Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Moody's sobe "rating" de Portugal

A agência de notação financeira elevou a classificação da dívida soberana de Portugal em um nível, de 'Ba3' para 'Ba2'. Colocou também este "rating" sob revisão para possível subida adicional. Que se pode concretizar quando a dívida do País entrar numa trajectória descendente.

Carla Pedro cpedro@negocios.pt 09 de Maio de 2014 às 22:01
  • Assine já 1€/1 mês
  • 40
  • ...
A dívida soberana de longo prazo de Portugal passou, na avaliação da Moody's, para o segundo nível da categoria de investimento especulativo ("Ba2"), o chamado "lixo". Falta subir dois níveis para deixar de ser considerada "junk".
 
A agência de notação financeira, que foi a primeira a colocar o "rating" de Portugal no nível de lixo, em Junho de 2011, foi também a primeira, com esta decisão, a elevar a notação financeira. A Fitch elevou a perspectiva do "rating" de "estável" para "positiva" e a Standard & Poor's anunciou hoje a subida da perspectiva de "negativa" para "estável". O "rating" da Fitch está um nível abaixo de "lixo" e o da S&P permanece dois níveis abaixo.
 

A justificar esta decisão, a Moody’s aponta vários factores, nomeadamente o facto de a situação orçamental de Portugal ter “melhorado mais rapidamente do que o inicialmente previsto” e também “porque o rácio da dívida pública face ao PIB começará a descer este ano, apesar de ser a partir de um nível muito elevado”. Além disso, sublinha o relatório, “o défice orçamental no ano passado foi reduzido em um ponto percentual do PIB acima do que estava previsto, sinalizando assim o forte empenho do Governo na via da consolidação orçamental”. Portugal fechou 2013 com um défice de 4,9% do PIB.

 

 

Porque subiu o "rating"

- Melhoria da prestação orçamental e dívida pública numa tendência descendente

 

- Saída do programa de assistência financeira e regresso aos mercados

 

- Melhoria das perspectivas económicas 

Por outro lado, “o país irá concluir em breve o seu programa de assistência da troika, sem a necessidade de uma linha de crédito cautelar por parte do Mecanismo Europeu de Estabilidade. Portugal reconquistou o acesso aos mercados da dívida pública e, além do mais, o Governo conseguiu criar uma almofada financeira considerável”, acrescenta a agência.

 

Em terceiro lugar, a Moody’s sublinha que “a retoma económica em Portugal está a ganhar dinâmica, com sinais de crescimento além das exportações – continuando estas a ter um forte desempenho”.

 

“A Moody’s está convicta de que o crescimento económico será sustentado no médio prazo, porque as autoridades portuguesas implementaram uma vasta gama de reformas estruturais”, destaca ainda o relatório.

 

Kathrin Muehlbronner (na foto), vice-presidente da Moody's, sustenta que a economia portuguesa está a dar sinais positivos. "Quando olhamos para os números do PIB, vemos que a recuperação está a ganhar força e a ficar mais abrangente", refere a analista, citada pela Reuters, deixando contundo um alerta: "há ainda muito a fazer".

 

Depois da contracção de 1,4% em 2013, a economia deverá crescer 1,2% este ano e 1,5% em 2015, de acordo com as estimativas do Governo e da troika. A Moody's assinala que as suas estimativas estão em linha com estas previsões oficiais.   

 

"Rating" voltará a subir se dívida pública baixar

 

A revisão para um possível “upgrade” reflecte a convicção da Moody’s de que “a qualidade do crédito de Portugal pode melhorar ainda mais no curto prazo no caso de a agência concluir que Portugal conseguirá reduzir claramente, nos próximos anos, o seu rácio bastante elevado da dívida pública, actualmente perto dos 130% do PIB”.

 

Contudo, Muehlbronner alerta que se essa subida adicional de "rating" se materializar, será apenas em nível e por isso insuficiente para retirar a notação financeira de "lixo".

 

"Para ter um 'rating' no nivel de 'investimento de qualidade' temos que assistir a um crescimento mais forte e ter a confiança que tal é sustentável", argumentou a analista, citada pela Reuters.   

 

“Durante este processo de revisão, a Moody’s avaliará as próximas decisões do Tribunal Constitucional de Portugal no que respeita a medidas-chave do Orçamento do Estado para 2014. A Moody’s considera que estas decisões são importantes, porque as medidas contestadas dizem respeito a itens-chave da despesa do Governo no que toca às pensões e salários da função pública”, refere a agência.

 

E prossegue: “No entender da Moody’s, alcançar e manter baixos défices orçamentais no médio prazo é difícil sem se tocar nestas áreas-chave da despesa”.

 

Para ter um 'rating' no nivel de 'investimento de qualidade' temos que assistir a um crescimento mais forte e ter a confiança que tal é sustentável
 
Kathrin Muehlbronner
Vice-presidente da Moody's

Além disso, a agência diz que pretende avaliar o plano orçamental de médio prazo recentemente apresentado pelo Governo [Documento de Estratégia Orçamental] e que procurará obter uma maior clareza acerca da possibilidade de poder haver um consenso alargado quanto à necessidade de manter políticas orçamentais rigorosas para lá da actual legislatura.

 

A Moody’s diz também ter revisto em alta o “rating” da dívida sénior da Parpública Participações Públicas, igualmente de ‘Ba3’ para ‘Ba2’, tendo iniciado uma revisão para uma possível subida adicional. 

 

Fitch é a que tem melhor notação para Portugal

 

Entre as três grandes agências de notação financeira, a Fitch é actualmente a que tem o "rating" soberano mais elevado para Portugal, visto que está no primeiro nível de lixo. A S&P - que esta sexta-feira melhorou o 'outlook' de Portugal, de 'negativo' para 'estável', mas não mexeu na classificação da dívida - tem Portugal classificado no segundo nível de lixo, tal como agora a Moody's.

 

A Moody's não mexeu hoje no 'outlook' para Portugal, mantendo-o assim em 'estável' desde o passado dia 8 de Novembro, data em que o retirou de 'negativo'.

 

No passado dia 11 de Abril, a Fitch reviu também em alta a perspectiva para Portugal, de 'negativa' para 'positiva', saltando assim o nível intermédio de 'estável'.

 

A próxima agência a pronunciar-se sobre o "rating" soberano de Portugal é a canadiana DBRS. Será já no dia 23 de Maio, sendo assim a primeira agência a classificar o País após a saída do programa de ajustamento. Depois, só a 21 de Novembro é que deverá voltar a dar o seu parecer.

 

Segundo o calendário apresentado pelas agências, a Moody's irá pronunciar-se de novo a 5 de Setembro, a Fitch a 10 de Outubro e a Standard & Poor's a 7 de Novembro. O calendário para 2014, divulgado no final do ano passado no cumprimento das novas directrizes da Comissão Europeia, é apenas indicativo, não sendo obrigatório apresentar relatório. Foi o que aconteceu com a Moody's, que no dia 10 de Janeiro (primeira data agendada para este ano) preferiu não se pronunciar.

 

Também pode dar-se o caso de uma agência querer emitir uma opinião fora das datas definidas, mas para tal terá de apresentar uma razão válida. 

 
(notícia actualizada às 23h56)
Ver comentários
Saber mais Portugal Fitch Standard & Poor's Moody's
Mais lidas
Outras Notícias