Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Minimize as contas do material escolar

Já entrámos em contagem decrescente para o inicio do novo ano lectivo. Enquanto as campanhas de "regresso à escola" proliferam, a ansiedade das crianças aumenta. Com pouco mais de 11 euros, o Negócios comprou 15 bens essenciais para as aulas. Saiba quanto custa rechear a mochila do seu filho.

Ana Pimentel 10 de Setembro de 2010 às 07:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
As aulas estão prestes a começar. Está preparado para gastar? Além dos manuais escolares, há uma série de outros bens que deve inclui no seu orçamento. Antes de listar o material escolar para este ano lectivo, veja com o seu filho que materiais do ano passado podem ser reutilizados. Reúna os folhetos das promoções e escolha o estabelecimento "mais em conta". O Negócios dá-lhe uma ajuda.

No final do mês de Agosto, fomos às compras. Fizemos uma lista de 15 bens essenciais para a escola, da mochila aos lápis de cor e visitámos vários estabelecimentos comerciais. Encontrámos os cabazes mais económicos na Staples, Jumbo, Continente e E.Leclerc.

Escolhemos sempre a oferta mais económica para cada item da lista, independentemente da quantidade de unidades que trazia. Não foram considerados conjuntos, pois o objectivo era comprar cada artigo pelo menor preço possível. Os compassos tinham de ter, no mínimo, duas peças e as réguas, 20 centímetros (cm). A maioria dos produtos escolhidos pertence à marca própria do estabelecimento.

Caça aos melhores preços
Durante a "caça aos melhores preços", foi possível detectar conjuntos pré-feitos de material escolar em várias superfícies comerciais. No Jumbo, por exemplo, o Kit Escolar custa 7,99 euros e tem 11 artigos: uma mochila, esferográficas, lápis de cor, corrector, sublinhador, canetas de feltro, tesoura, borracha, estojo, fita-cola e um caderno. Quase todos os produtos do Kit são da marca Auchan. Além disso, no Jumbo, a compra de alguns artigos pressupõe a oferta do segundo.

No Continente, o conjunto de material escolar da Uso custa 6,98 euros e inclui lápis de cor, marcadores, lápis de cera, borracha, apara-lápis, cola, tesoura, régua, lápis e duas esferográficas. Na compra de alguns itens, recebe uma oferta. Se comprar um caderno espiral A4 Note it e um conjunto de seis esferográficas da mesma marca, o Continente oferece-lhe um conjunto de dois marcadores fluorescentes, por exemplo. Em quase todos os estabelecimentos que visitámos foi possível encontrar kits com régua, esquadro, transferidores e outros materiais.
O Pingo Doce ainda estava a receber material escolar. No estabelecimento que visitámos, a mochila mais económica custava 10,89 euros e o estojo, 5,99 euros. Visitámos mais dois estabelecimentos da cadeia, mas não conseguimos encontrar outras ofertas. Só este facto encareceu bastante o cabaz: 32,04 euros.

Contudo, conseguimos encontrar todos os itens da lista: quatro esferográficas Mab (0,34 euros), quatro lápis Bic Evolution (0,64 euros), duas borrachas Maped (0,99 euros), afia Mab (0,49 euros), régua Maped de 20 cm (0,59 euros), esquadro Graphic 0º/26 cm (1,09 euros), compasso Maped (2,99 euros), pasta arquivo Office System (1,29 euros), dez separadores Mab (0,39 euros), recargas Ambar (1,59 euros), um bloco Ambar (1,19 euros), 12 lápis de cor Maped (1,98 euros) e 12 marcadores Stabilo (1,59 euros). Também encontrámos pequeno conjuntos da Kartal Fantastik a um preço reduzido. Por um euro, comprava três canetas, uma borracha e uma afia, por exemplo.

No El Corte Inglês, há material escolar para todos os gostos, mas é preciso gastar mais. Com 37,64 euros, pode trazer uma mochila Spiderman, com 50% de desconto (15,99 euros), um estojo em pele (1,45 euros), dois lápis Faber Castel (0,85 euros), duas borrachas Milan (0,85 euros), uma afia Lyra Groove (0,80 euros), uma régua Maped de 40 cm (1,39 euros), um esquadro First P de 60º/30 cm (1,25 euros), um compasso DFH (1,75 euros), uma pasta para arquivo Cartune (3,40 euros), seis separadores Cartune (0,55 euros), recargas Oxford (1,79 euros), bloco de papel Ambar (1,92 euros), 12 lápis de cor da Staedtler (2,50 euros) e 12 marcadores da Giotto (1,55 euros).

Se fosse às compras ao Intermarché até ao dia cinco de Setembro, gastava 20,91 euros e trazia todos os produtos da listagem. Depois dessa data, alguns itens poderiam sofrer alteração de preço.

O "regresso às aulas" também se faz no Mini Preço, até sete de Setembro. Com 10,52 euros, compra uma mochila (4,90 euros), um estojo (0,84 euros), seis canetas (0,44 euros), três lápis, borracha e afia (0,44 euros), dossier (1,79 euros), recargas (1,19 euros), 12 lápis de cor (0,59 euros) e 12 marcadores (0,64 euros). De fora, ficaram a régua, o esquadro, o compasso e os separadores. Como não foi possível identificar o preço total do cabaz, não foi incluído na tabela.
Também fomos a um estabelecimento do Lidl, mas não encontrámos muita variedade de material escolar. Apenas estavam disponíveis alguns artigos da nossa lista, como canetas e dossiers, pelo que não foram considerados.

Comprar na Internet?
Pesquisámos os preços nos sítios do Jumbo, Continente e Staples. Regra geral, os preços praticados "on-line" são semelhantes aos das lojas físicas que visitámos. No Continente "on-line", encontrámos um estojo a 0,50 euros, da Note it "sweet village", que não estava disponível na loja que visitámos. Contactámos mais quatro lojas e só o encontrámos numa. Disseram-nos que caso não esteja em ruptura de stock, voltará a estar disponível. No Jumbo "on-line", encontrámos um esquadro Auchan 60º/25 cm a 25 cêntimos, mas na loja que visitámos o mesmo artigo custava 99 cêntimos. Na loja "on-line" da Staples, encontrámos todos os artigos ao mesmo preço.

Para celebrar um ano do Cartão Staples Professor +, a cadeia avançou com uma campanha exclusiva para a classe docente, "Professor +: Some Pontos e Ganhe Prémios". Até 15 de Outubro, os professores vão poder acumular pontos através de compras efectuadas na loja e de novas adesões ao cartão. A campanha é suportada por um microsítio (http://www.professormais.com/), onde se pode obter informação pormenorizada, consultar ou trocar os seus pontos por vales de desconto na loja, experiências A Vida é Bela, noites nas Pousadas de Portugal, entre outras hipóteses.



DICAS PARA POUPAR
Saiba como evitar uma factura maior do que a sua carteira.
1. Defina o material
Faça uma lista clara de todo o material que o seu filho necessita. Primeiro, verifique quais os materiais do ano transacto que ainda podem ser utilizados e elimine-os da nova listagem. "Deve existir um olhar critico sobre a lista e ter a capacidade de distinguir se o que se encontra na lista são verdadeiras necessidades ou desejos", diz Natália Nunes, do Gabinete de Apoio ao Sobreendividado, da Associação Portuguesa para a Defesa dos Consumidores, Deco.


2. Envolva os seus filhos
Antes de efectuar as compras, discuta com os seus filhos a lista final e o orçamento envolvido. Desta forma, contribui para uma maior sensibilização dos jovens às questões relacionadas com dinheiro. Se a sua família não tem o hábito de elaborar um orçamento, então introduza-o: é a melhor ferramenta que a família tem para saber quanto gasta e onde gasta o seu dinheiro.


3. Estude o mercado
Antes de sair de casa, consulte os vários folhetos com as promoções de "regresso às aulas" e identifique os preços mais favoráveis. "Sempre que possível opte pelas marcas brancas, que, em média, são mais baratas e com uma qualidade aceitável", diz Sandra Lopes, do Gabinete de Orientação ao Endividamento dos Consumidores - GOEC. Segundo Natália, os estudos que a Deco tem feito confirmam que os preços variam bastante de estabelecimento para estabelecimento.


4. Resista às compras impulsivas
Durante as compras, não se desvie da lista elaborada por si e pela sua família "É fundamental resistir às compras impulsivas", comenta Sandra Lopes. Sempre que se efectuem compras, estabeleça um limite para gastar e não o ultrapasse. Segundo Susaa Albuquerque, secretária-geral da ASFAC, comprar manuais escolares on-line é uma boa opção, porque algumas editoras fazem descontos entre 10 e 20%.


5. Atenção ao crédito
Nesta época, costumam existir muitas ofertas de créditos para livros e material escolar. Mas Natália Nunes alerta para os riscos desta decisão. Antes de optar pelo crédito, faça contas e determine se o orçamento familiar comporta mais este encargo.
Existem editoras que fazem descontos entre na compra on-line de livros escolares. Considere também esta hipótese.



TRÊS REGRAS PARA UMA BOA COMPRA
Mochilas a preço reduzido nem sempre são sinónimo de qualidade. Saiba como escolher a mochila certa para o seu filho.

Tamanho adequado É importante que a criança experimente a mochila antes de a comprar, pois deve optar por um modelo que lhe seja confortável. Certifique-se de que o tamanho é adequado para a sua estatura e que não é demasiado pesada. Vazia, não deve pesar mais de meio quilo.


Alças largas e reguláveis Deve conseguir ajustar bem a mochila às costas. As alças não devem estar muito juntas, porque roçam no pescoço, nem muito afastadas, porque caem dos ombros. No mínimo, devem ter 4 centímetros de largura e devem ser reguláveis.


Práticas e resistentes Opte por uma mochila com vários bolsos e compartimentos. Estes permitem organizar melhor o material escolar. Para evitar que a mochila oscile, verifique se tem um cinto regulável ao nível da cintura. Todas as fivelas devem ser práticas e resistentes. A mochila não deve pesar mais do que 10% do peso corporal.



QUANTO CUSTA VOLTAR ÀS AULAS
O Negócios visitou vários estabelecimentos comerciais à procura dos cabazes mais económicos para a "rentrée" escolar. Fez uma lista com 15 artigos essenciais e foi à procura das ofertas mais baratas para cada item. Visitou oito lojas e conseguiu encontrar quatro cabazes a um preço semelhante. Por pouco mais de 11 euros, foi possível comprar o essencial para a escola nos estabelecimentos do Continente, E.Leclerc, Jumbo e Staples, que visitámos.



Nota: Estes são os preços praticados nos estabelecimentos (um de cada cadeia) visitados pelo Negócios. A disponibilidade de cada produto depende de loja para loja. Os valores estão expressos em euros.

Ver comentários
Outras Notícias