Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia
Ao minuto05.04.2021

Emprego dá ânimo a Wall Street e trama o dólar. Petróleo cai mais de 3%

Acompanhe aqui o dia nos mercados.

Reuters
Gonçalo Almeida goncaloalmeida@negocios.pt 05 de Abril de 2021 às 17:23
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...
05.04.2021

Ouro tira proveito de mau momento do dólar

O ouro segue com uma subida de 0,20% para os 1.732,26 dólares, recuperando da queda muito ligeira da última sessão, que interrompeu um ciclo de duas sessões de fortes ganhos, acima de 1%.

A subida é ligeira, mas é permita pelo ativo refúgio rival, o dólar, que cai com pujança, depois de o otimismo voltar a inundar Wall Street. Os investidores "celebram" dados do emprego mais favoráveis do que o esperado.

05.04.2021

Força em Wall Street tira ímpeto ao dólar

A nota verde está a quebrar face a todas as moedas que compõem o cabaz G-10, numa altura em que o apetite ao risco cresce e leva as ações nos Estados Unidos a máximos históricos. Os investidores mostram confiança depois de os Estados Unidos terem revelado que em março houve o maior aumento no número de empregados em sete meses. Enquanto Wall Street conta valorizações de mais de 1% nos principais índices, o Bloomberg Dollar Spot Index cai e marca um mínimo de duas semanas.

A moeda única europeia está a valorizar 0,44% para os 1,1811 dólares, iniciando a semana em alta depois de os últimos três ciclos semanais terem ficado pelo terreno negativo. O euro afasta-se assim dos mínimos de abril de 2020 a que desceu a 31 de março.

05.04.2021

Petróleo cai com alívio dos cortes, pandemia e acordo nuclear do Irão no centro da mesa

Os preços do "ouro negro" estão a aliviar entre os 3 e os 4%, depois de os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e os seus aliados (OPEP+) terem decidido aumentar a oferta de crude nos próximos três meses. Paralelamente, a evolução da pandemia e covid-19 está a levar a uma reimposição de restrições, o que afeta a procura pela matéria-prima.

Estta segunda-feira é também a  véspera da reunião entre a União europeia, os Estados Unidos e o Irão, que marca a tentativa de reavivar o acordo nuclear que existia com este país do Médio Oriente, e que foi quebrado por Donald Trump durante a sua presidência. Negociações bem-sucedidas podem significar a remoção de sanções na exportação de petróleo.

O barril de Brent, negociado em Londres e referência no continente europeu, está a deslizar 3,395 para os 62,67 dólares. O irmão nova-iorquino West Texas Intermediate desce 3,81% para os 59,10 dólares.

05.04.2021

Wall Street em alta a beneficiar com indicadores económicos positivos

Os três maiores índices de Wall Street abriram esta primeira sessão da semana a negociar em alta, ainda à boleia dos números acima do esperado em torno do mercado laboral nos Estados Unidos, divulgados na passada sexta-feira. 

Por esta altura, o Dow Jones ganha 0,91% para os 33.456,78 pontos, o S&P 500 avança 0,86% para os 4.053,81 pontos. 

Já o tecnológico Nasdaq Composite ganha 0,88% para os 13.598,16 pontos. 

Os investidores estão a agarrar-se aos indicadores económicos que vão mostrando que a economia norte-americana poderá estar a recuperar a um ritmo mais ágil do que o previsto inicialmente e deverá crescer ao ritmo mais rápido das últimas quatro décadas. 

Depois dos dados relativos ao emprego, hoje será a vez dos dados sobre os serviços na maior economia do mundo. 

De acordo com o estudo do ISM, a atividade dos serviços de março deverá ter uma subida exponencial, num setor que equivale a cerca de dois terços da atividade económica nos Estados Unidos.

O setor da banca - que deverá ser um dos maiores beneficiados com uma forte retoma económica - está novamente em alta, começando este mês com a mesma tendência com que acabou o anterior. 

Em foco está também o plano de vacinação nos Estados Unidos, depois de Joe Biden, presidente do país, ter estimado que 90% dos adultos norte-americanos estarão vacinados até ao final de abril.

05.04.2021

Ouro perde força com bons dados do emprego nos EUA

O ouro, um ativo considerado de refúgio que tende a beneficiar com a turbulência nos mercados de ações e na economia, está hoje a cair, uma vez que os dados do emprego nos Estados Unidos, revelados na passada sexta-feira foram melhores do que o esperado.

O metal precioso está a cair 0,17% para os 1.725,95 dólares por onça.

Os dados do emprego norte-americano mostraram uma subida de 916 mil postos de trabalho em fevereiro, contra o aumento previsto de 468 mil. 

A fazer cair o ouro está também o novo pacote orçamental de Joe Biden, presidente dos Estados Unidos, no valor de 2,25 biliões de dólares. 

05.04.2021

Euro volta a perder força para o dólar

A moeda única da União Europeia (UE) abriu a semana novamente a perder fôlego para o rival dólar norte-americano, seguindo a tendência das últimas semanas. 

Só nas últimas onze sessões, o euro só conseguiu apreciar face ao dólar em quatro. Hoje está a perder 0,09% para os 1,1749 dólares. 

Já a libra esterlina, à boleia do plano de vacinação no Reino Unido, está a ganhar 0,03% para os 1,3836 dólares. 

05.04.2021

Petróleo recua perante aumento de produção da OPEP+

Os preços do petróleo estão a cair na manhã desta segunda-feira, depois de os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e os seus aliados (OPEP+) terem decidido aumentar a oferta de crude, de forma gradual, nos próximos três meses.

Para além desta subida, o número de infeções com coronavírus na Índia, um mercado de grande procura por petróleo, atingiu um recorde.

Por esta altura, o Brent perde 1,31% para os 63,99 dólares por barril e o norte-americano WTI (West Texas Intermediate) recua 1,25% para os 60,67 dólares. 

A expectativa seria a de que a OPEP+ manteria o atual nível de redução da oferta em maio, mas os membros do cartel e os seus parceiros foram mais longe no tempo e decidiram também ir aumentando a produção. 





05.04.2021

Bolsas a meio gás mostram ânimo nos EUA e na Ásia

Os futuros das ações norte-americanas estão a negociar em alta na pré-abertura desta segunda-feira, acompanhando a tendência registada na sessão asiática, numa altura em que os investidores estão a digerir os dados inesperadamente fortes relativos ao emprego nos Estados Unidos.

Durante a madrugada em Lisboa - cujo índice hoje não negoceia, assim como as restantes bolsas na Europa - registou-se um ganho no Japão e uma queda ligeira na Coreia do Sul. Na China, em Hong Kong e também na Austrália as bolsas estiveram encerradas.

Os futuros do norte-americano S&P 500 alargaram o ciclo de ganhos desde sexta-feira, depois de os dados sobre o emprego terem revelado uma criação de postos de trabalho superior ao que seria esperado e um máximo em sete meses. 

A resiliência da maior economia do mundo e a aparente recuperação mais ágil do que o previsto estão a conduzir a uma subida dos juros do Tesouro a dez anos, que neste momento se encontram nos 1,72%, perto de máximos de 14 meses. 

Nos próximos dias, os investidores estarão atentos ao debate em torno do novo pacote orçamental que foi apresentado por Joe Biden, presidente dos Estados Unidos, na semana passada, no valor de 2,25 biliões de dólares.

Ver comentários
Saber mais Europa EUA Wall Street bolsas mercados juros dívida petróleo vacina Moderna euro dólar libra PSI-20 Stoxx 600
Outras Notícias