Mercados num minuto Fecho dos mercados: Todos à espera de Yellen

Fecho dos mercados: Todos à espera de Yellen

As bolsas europeias desceram com os investidores a jogarem à defesa antes do discurso da presidente da Fed em Jackson Hole, agendado para esta sexta-feira. O ouro continua a perder valor e o dólar negoceia estável.
Fecho dos mercados: Todos à espera de Yellen
Bloomberg
Rui Barroso 25 de agosto de 2016 às 17:25

Os mercados em números

PSI-20 perdeu 0,45% para 4.677,34 pontos

Stoxx 600 desceu 0,84% para 342,02 pontos

S&P 500 sobe 0,09% para 2.177,44 pontos

"Yield" da dívida a 10 anos de Portugal subiu 0,9 pontos base para 2,984%

Euro sobe 0,09% para 1,1274 dólares

Petróleo ganha 0,65% para 49,37 dólares por barril, em Londres

Bolsas europeias interrompem ganhos

Após três sessões de ganhos, as bolsas europeias regressaram às quedas esta quinta-feira, 25 de Agosto. O Stoxx 600 desceu 0,84% para 342,02 pontos, com os 19 índices sectoriais a encerrarem o dia no vermelho. Isto depois do índice Ifo, que mede a confiança dos empresários alemães, ter descido.

Os investidores preferiram também jogar à defesa antes de conhecerem o teor do discurso da presidente da Fed em Jackson Hole, agendado para esta sexta-feira. "O Ifo influenciou os mercados, mas todos os olhos estão em Yellen. Os investidores não querem posicionar-se de forma demasiado agressiva antes do discurso" da presidente da Fed, referiu Ralf Zimmerman, estratega de acções da Bankhaus Lampe, citado pela Bloomberg.

O PSI-20 também não escapou ao sentimento cauteloso dos investidores. Mas desceu menos que o índice europeu. Perdeu 0,45% para 4.677,34 pontos. O BCP e a Semapa foram os únicos a subir. Já os CTT tiveram o pior desempenho, cedendo mais de 2%.

Taxas a dez anos com subida ligeira

A taxa das obrigações portuguesas a dez anos  teve uma subida ligeira, na sessão seguinte ao anúncio de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos que poderá levar a mais emissões de dívida. A "yield" subiu 0,9 pontos base para 2,984%, interrompendo uma sequência de duas descidas.

No entanto, a subida da taxa portuguesa é de menor dimensão do que o registado nas obrigações alemãs. A "yield" germânica aumenta 1,9 pontos base para -0,070%, o que ajudou o prémio de risco da dívida portuguesa a descer um ponto base para 305,4 pontos base. Também a taxa italiana a dez anos subiu, aumentando 0,7 pontos base para 1,132%. Já a "yield" espanhola teve uma descida de 1,1 pontos base para 0,922%, após os dados do PIB terem superado as estimativas.

Euribor descem a seis e 12 meses

As taxas Euribor tiveram comportamentos distintos. A seis e 12 meses houve descidas. Mas no prazo a três meses não existiram alterações. Neste prazo, a Euribor permaneceu em -0,298%, muito perto do mínimo histórico de -0,299%, segundo a Lusa. Já a taxa a seis meses desceu e igualou o mínimo histórico de -0,192%. Também a Euribor a 12 meses baixou. Desceu 0,1 pontos base para -0,049%

Dólar estável antes de discurso de Yellen

O índice que mede a força da nota verde contra dez grandes divisas mundiais segue praticamente inalterado, à medida que se aproxima o discurso da presidente da Fed em Jackson Hole. Durante a sessão, o índice do dólar tem oscilado entre ganhos e perdas. Segue a subir 0,01% para 1.171,70 pontos depois de ter tido quatro sessões seguidas de ganhos. Face à moeda única, a nota verde desce 0,09%. Cada euro vale 1,1274 dólares.

Irão puxa pelo petróleo

Os preços do petróleo regressaram a terreno positivo após ter sido noticiado que Bijan Namdar Zanganeh, o ministro iraniano do petróleo, iria participar na reunião informal que será realizada pela OPEP entre 26 e 28 de Setembro. "Essas notícias são positivas para os preços. Aumentam a probabilidade de acordo para congelar a produção. Ainda assim, mesmo com um acordo, seria a níveis de produção elevados. Mas o mercado iria tomar essa decisão como positiva para o preço", referiu Bob Yawger, director da divisão de futuros do Mizuho, citado pela Bloomberg.

Após ter transaccionado no vermelho, o Brent segue a valorizar 0,65% para 49,37 dólares. Já o West Texas Intermediate, negociado em Nova Iorque, sobe 0,38% para 46,95 dólares.

Ouro em queda à espera de Jackson Hole

O metal amarelo desce 0,15% para 1.322,21 dólares, com os investidores à espera das pistas que Janet Yellen irá dar sobre a evolução dos juros nos EUA no discurso que tem agendado para esta sexta-feira em Jackson Hole. "Yellen poderá adoptar um tom mais restritivo após os últimos dados económicos e os comentários de outros responsáveis da Fed, o que colocaria pressão adicional no ouro", explicou Jonathan Butler, estratego para o mercado de metais preciosos da Mitsubishi Corporation, citado pela Bloomberg.

Destaques do dia
António Costa: Recapitalização da Caixa "não atinge défice nenhum"
. O primeiro-ministro garante: a recapitalização da Caixa, que contará com uma injecção directa do Estado de 2,7 mil milhões de euros, não vai afectar os dados do défice nacional.

 

Finanças dizem que o défice melhorou 543 milhões face a 2015. Em comunicado, o Ministério das Finanças diz que o défice orçamental até Julho deste ano diminuiu 543 milhões de euros face a 2015. Ao contrário do que é habitual, o documento não refere o valor do défice, que será revelado pela DGO.

Galp Gás contrata bancos para emitir dívida a sete anos. A Galp Gás contratou três instituições financeiras para realizarem um "roadshow" no início de Setembro com o objectivo de se financiar, através de emissão de dívida a sete anos. A operação deverá ser usada para reembolsar a Galp.

Avaliação bancária da habitação sobe pelo quarto mês consecutivo. O valor da avaliação dos imóveis pelos bancos manteve a tendência de subida registada nos últimos meses. Atingiu o valor mais elevado desde Janeiro de 2012, segundo os dados do INE.

Brexit oferece lucros para quem ignora riscos da dívida europeia. Afinal, o Brexit está a ser um mal que veio para o bem de alguns dos mercados de obrigações europeus que à partida estariam entre as suas principais vítimas.

Confiança dos empresários alemães em mínimos de seis meses. A confiança dos empresários alemães caiu inesperadamente este mês para o nível mais baixo desde Fevereiro, numa altura em que ainda se avalia o potencial impacto do Brexit na evolução da procura.

PIB de Espanha cresce mais do que o previsto. A economia espanhola cresceu, no segundo trimestre, mais uma décima do que tinha sido inicialmente reportado. O consumo interno e o investimento são os principais responsáveis.

O que vai acontecer amanhã

EUA

Discurso de Janet Yellen em Jackson Hole

Indicador de sentimento económico da Universidade do Michigan, relativo a Agosto [anterior: 90,4 pontos ; estimativa: 90,6 pontos]

Zona Euro

Índice de massa monetária (M3), relativo a Julho [anterior: 5,0% ; estimativa: 5,0%]




pub

Marketing Automation certified by E-GOI