Outros sites Cofina
Negocios em rede
Mais informações

C•Studio é a marca que representa a área de Conteúdos Patrocinados do universo Cofina.
Aqui as marcas podem contar as suas histórias e experiências.

Notícia

“O marketing tornou-se totalmente dependente da tecnologia”

As equipas de marketing necessitam de ser cada vez mais autónomas a lançar campanhas, publicidade nas plataformas online, interagir nas redes sociais, e para isso precisam de saber os básicos de programação, bases de dados, html, de edição de imagem.

17 de Maio de 2021 às 07:52
José Maria Aires Magriço, diretor de Marketing na Informa D&B
José Maria Aires Magriço, diretor de Marketing na Informa D&B

Após terminar o curso de Engenharia e Gestão Industrial no Instituto Superior Técnico, começou a sua carreira como management trainee na Jerónimo Martins, onde teve a oportunidade de conhecer toda a estrutura do grupo durante seis meses. Uma vez acabado o estágio, ingressou na equipa do Pingo Doce Online.

Em 2000, integrou a start-up pmelink.pt, uma iniciativa do BES, CGD e PT para as PME. Em 2008, foi convidado para lançar a eInforma em Portugal, o canal de venda online da Informa D&B, com o objetivo de massificar a utilização de informação empresarial, para que os negócios passassem a ser feitos por decisões mais informadas.

Em 2019, José Maria Aires Magriço aceitou o desafio de abraçar a direção de Marketing da Informa D&B.

 

Porquê a opção profissional pelo marketing?

Sempre me entusiasmei por projetos online com grande potencial, por ajudar a estruturar e lançar ideias disruptivas, criar equipas e fazer acontecer. O marketing, numa vertente mais de desenvolvimento de negócio, acabou por ser a área que me permitiu evoluir. Não houve uma decisão inicial de trabalhar em marketing, foi um caminho que aconteceu naturalmente.

 

Que mudanças verificadas no marketing nos últimos tempos merecem destaque?

O marketing, como em quase todas as outras áreas, tornou-se totalmente dependente da tecnologia. Hoje em dia tudo acontece online. Um gestor de marketing tem de dominar a tecnologia e ter boas capacidades de análise de dados, de compreender as tendências a olhar para números.

 

Quais os principais desafios que o marketing enfrenta?

O grande desafio é a transformação digital de tudo o que se faz, com uma forte tendência para se fazer sem intermediários, porque a rapidez de implementação é cada vez mais uma variável crítica. As equipas de marketing necessitam de ser cada vez mais autónomas a lançar campanhas, publicidade nas plataformas online, interagir nas redes sociais, e para isso precisam de saber os básicos de programação, bases de dados, html, de edição de imagem.

 

Quais as tendências que irão marcar o futuro?

Há uma forte tomada de consciência coletiva de que existe uma dependência entre todos, entre todas as pessoas, todos os países, com a natureza, com todo o universo, ou seja, o que fazemos tem sempre um impacto noutro sítio e/ou em alguém. Temos de ser mais humanos, respeitar e cuidar dos mais velhos, dos mais pobres, de todos os que por alguma razão vivem excluídos. Também temos de ser mais sustentáveis, pensar e alterar comportamentos para deixarmos um mundo melhor para as próximas gerações.


O futuro é sempre uma aceleração das tendências recentes. Vivemos numa era dominada pela tecnologia e será a evolução tecnológica a moldar a forma e a rapidez da nossa evolução. A tecnologia será essencial para a humanidade solucionar muitos dos grandes problemas. Veja-se como exemplo a rapidez com que se desenvolveram estas vacinas.

 

Quais as características de um bom marketeer?

Dominar e compreender a tecnologia passou a ser essencial, mas o que define um marketeer é e será sempre alguém que compreende o que se passa no mundo, antecipa tendências e induz comportamentos. São sempre pessoas apaixonadas pelo que fazem e que sabem criar emoções, experiências que deixam marca.

 

Qual a campanha que mais prazer lhe deu fazer?

Não foi uma campanha, foi um projeto. Foi o lançamento da eInforma em Portugal. Tive uma grande autonomia para definir e implementar.

Foi criar algo de fio a pavio. O lançamento da marca, do site, requisitos funcionais e tecnológicos, constituição da equipa, definição da oferta, preços, processos comerciais, campanhas, serviço de apoio ao cliente, questões legais, fazer o business plan, responsabilidade pelos custos e proveitos. Já passaram mais de 10 anos e continua a ser extremamente desafiante.

Atualmente, mais de 80% das empresas que faturam mais de 1 milhão de euros por ano usam a plataforma! Temos mais de 800 mil registados! Num mercado b2b são números estratosféricos. Foi e continua a ser um motivo de enorme satisfação profissional.

 

Qual a campanha de que mais gostou, não sua, nacional ou internacional?

Mais do que uma campanha, gostava de destacar o posicionamento da Apple. Quase não gastam dinheiro em campanhas, mas alcançaram um enorme sucesso através da excelência do produto, do foco na simplicidade e no utilizador.

 

Qual o conselho para quem começa a trabalhar nesta área?

Uma vontade enorme de mudar o mundo, de fazer sonhar.

"Temos de ser mais sustentáveis, pensar e alterar comportamentos para deixarmos um mundo melhor para as próximas gerações." José Maria Aires Magriço, diretor de Marketing na Informa D&B

Um livro?

Um livro?

“O Principezinho”, de Antoine de Saint-Exupéry.

Um podcast?

Um podcast?

Governo Sombra.

Um destino de férias?

Um destino de férias?

Portugal! Algarve, Alentejo, Minho, Açores, Madeira. Tanto por descobrir neste maravilhoso país.

Hobbies?

Hobbies?

Uma paixão recente pelo golfe. É um desporto incrível, tecnicamente muito difícil, em que jogamos contra os outros, mas principalmente contra nós próprios.

Um gadget indispensável?

Um gadget indispensável?

O meu iPhone.

Uma música para trabalhar?

Uma música para trabalhar?

Nunca me habituei a trabalhar com música. Nem sei como é que encaixava a música na agenda.

Uma música para relaxar?

Uma música para relaxar?

The Piano Guys.

Uma frase que o orienta?

Uma frase que o orienta?

Não deixes para amanhã o que podes fazer hoje.

Alguém que o inspira?

Alguém que o inspira?

Papa Francisco.

O que ainda lhe falta fazer?

O que ainda lhe falta fazer?

Ver os meus três filhos crescer, vê-los sonhar, ajudá-los a serem felizes e a ajudar os outros.


Mais notícias