Outros sites Cofina
Notícia

Cidália Ferreira: "Sempre se olhou a mata de forma economicista"

O início do mandato como presidente da câmara coincidiu com a grande tragédia no Pinhal de Leiria. A primeira missão de Cidália Ferreira foi "repensar a estratégia" para o concelho.

Rute Barbedo 27 de Dezembro de 2018 às 13:00
Cidália Ferreira presidente da câmara municipal da marinha grande David Cabral Santos
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
Alargar as zonas industriais, formar pessoas, atrair mão-de-obra para combater a escassez. São estas algumas das prioridades do concelho onde nasceu a indústria do vidro e que é um dos principais centros de exportação de moldes e plásticos. A presidente da autarquia insiste, ainda, no alargamento do aeroporto de Monte Real à aviação civil.

Não teve um início de mandato fácil. Primeiro foram os incêndios de Outubro e, um ano depois, o furacão Leslie. Como tem sido lidar com tudo isso?
Tem sido muito difícil, tanto que ainda não tive um único dia de férias. E é uma angústia muito grande. A Mata [Nacional de Leiria] sempre fez parte da nossa vida e tínhamos um projecto a nível turístico estruturado para ela. Mas arderam-nos 10 hectares e nós tínhamos 11 e pouco. Depois, em Fevereiro e Março, tivemos os vendavais e, mais tarde, o Leslie, que nos derrubou muitas das árvores que ainda estavam de pé. Ficámos com preocupações ambientais enormes e isto não nos deixa disponíveis para outras coisas que também são urgentes. Leva-nos a repensar toda a estratégia que tínhamos para o concelho.

Deve haver outra gestão do território?
Se aquela mata tinha um ordenamento de território que era considerado uma escola para todo o mundo, temos consciência de que, ao longo dos anos, ela foi ficando desfalcada de meios e de material que permitiram que não fosse devidamente acompanhada em termos de limpeza. Mas também sabemos que, num dia daqueles, mesmo que a mata estivesse limpa, provavelmente, o mesmo teria acontecido. Hoje temos dois problemas: deixar condições futuras - e o trabalho vai ser hercúleo -; e ter meios e gente. Precisávamos de, pelo menos, 33 trabalhadores na mata e o senhor ministro e a secretaria de Estado foram sensíveis a isso. Abriu-se concurso, mas houve pouca gente a candidatar-se. Não é atractivo. Mas além de pessoas são precisos recursos financeiros. A mata da Marinha Grande dava, todos os anos, entre dois e três milhões de euros - outros anos, mais ou menos um milhão e meio - de lucro ao Estado, que nunca era aplicado no concelho. Até aqui, sempre se olhou a mata de uma forma economicista e nunca pelo seu verdadeiro valor. Temos que insistir com as pessoas que governam e que olham para estas questões como financeiras para que olhem também para a qualidade humana.

Um dos problemas que sublinhou ainda durante a campanha foi a necessidade de ampliar as zonas industriais. O que é que tem sido feito nesse âmbito?
Já estamos a fazer uma parte do alargamento, daquilo que conseguimos adquirir ao Estado [os terrenos são envolvidos pela Mata Nacional] e queremos continuar a fazer todos os esforços. Temos a indústria no nosso ADN, ela é pujante e temos um conjunto de associações que fazem investigação que permite grandes avanços. Sabemos, por isso, que temos de criar um Parque Tecnológico e de Ciência [a partir de infra--estruturas já existentes]. Além do vidro e do plástico, há os moldes, que têm uma vital importância. Não há nada na vida que não saia de um molde. Qualquer automóvel tem peças feitas com os nossos moldes. Mas a Marinha Grande é, muitas vezes, mais conhecida no estrangeiro do que no próprio país.

A mata da Marinha Grande dava entre dois e três milhões de euros de lucro ao Estado, que nunca era aplicado no concelho.

Mas vão formar um parque tecnológico. Falta essa valência?
Não quer dizer isso. Mas permite-nos criar um centro de inteligência competitiva, para articular a investigação, o desenvolvimento de projectos, a formação avançada, os serviços técnicos às empresas, incubadoras, start-ups… Precisamos que esta sinergia seja cada vez mais potenciada. Vamos também criar um gabinete de apoio ao empresário e ao empreendedorismo e um gabinete de apoio ao imigrante. Temos algumas comunidades estrangeiras instaladas e isso é importante, porque nós não temos desemprego.

A falta de pessoas não é preocupante?
Não, porque somos proactivos e temos capacidade de captar, formar e reconduzir para as valências que são necessárias. E estamos no centro do mundo. [risos] Costumamos brincar, dizendo isso, mas estamos entre dois aeroportos e faremos tudo para que o de Monte Real seja alargado à aviação civil. Seria fundamental para a dinâmica da região. Temos estudos que mostram que o projecto é viável e todos os [dez] presidentes de câmara [com quem tem discutido o assunto] manifestaram-se a favor do aeroporto. Portanto, vamos continuar a fazer pressão.

Acredita que o projecto se concretize?
Sou uma mulher de fé. [risos]

E é das poucas a presidir uma autarquia em Portugal. Sente o facto de ser mulher na pele, politicamente?
Não sei bem como lhe hei-de responder… Em termos da articulação que é preciso fazer a nível distrital e a nível nacional, não sinto. Quando vim para a câmara [em 2005] éramos sete vereadores e eu era a única mulher. E isso tinha um peso institucional que não lhe digo nada! Era aquela forma muito mais máscula de resolver as coisas... Agora, somos mais mulheres do que homens, pela primeira vez. 

perfil

A primeira mulher

Professora do ensino básico durante 32 anos e licenciada em Formação Pessoal e Social, Cidália Ferreira, de 64 anos, está na Câmara Municipal da Marinha Grande desde 2005. Entre sete vereadores, começou por ser a única mulher. Hoje, é uma das 32 presidentes das 308 câmaras do país. Em 2015, a marinhense assumiu a vice-presidência da autarquia local, candidatando-se à sua liderança nas últimas eleições, pelo Partido Socialista. Casada e mãe de dois filhos, durante vários anos integrou associações ligadas a áreas sociais e esteve, entre 2005 e este ano, na Comissão de Protecção de Crianças e Jovens da Marinha Grande.



Mais notícias