Outros sites Cofina
Notícia

Portugal é pólo de inovação para a BP

Fidelização de clientes e qualidade do produto foram os pilares em que há dois anos e meio a BP Portugal decidiu apostar. O resultado, diz o seu presidente, foi o aumento da quota de mercado.

Miguel Baltazar
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
A BP Portugal é vista pela casa-mãe como "um pólo de inovação e uma referência ao nível da segurança", assegura Pedro Oliveira, presidente desta subsidiária da multinacional britânica desde 2013.

Um pólo de inovação, explica o responsável, porque em Portugal foram criados produtos que acabaram por ser lançados a nível global, como foi o caso do diesel Ultimate a partir do Ultra Diesel . Uma referência ao nível da segurança porque "a BP tem a aspiração de operar com zero acidentes, numa actividade que é manipular produtos perigosos, e a BP Portugal está a caminho de celebrar o terceiro ano sem nenhum acidente", orgulha-se Pedro Oliveira.

Ultrapassada já a fase de reestruturação por que a empresa passou, a BP Portugal conta hoje com 101 trabalhadores. A petrolífera que completou em 2016 os 87 anos está actualmente a crescer em todas as áreas de negócio, especialmente no retalho, mas também na aviação e nos lubrificantes.

Nos últimos anos, ganhou, no segmento da aviação, o abastecimento do aeródromo de Tires por mais 15 anos e conta com a NetJets, operador mundial de aviação executiva, como cliente. Nos lubrificantes, com as marcas BP e Castrol, manteve o contrato com o grupo automóvel Siva e fechou um acordo com o grupo Salvador Caetano. Foi também a petrolífera que ganhou o concurso promovido pela Antral para a operação de um posto de abastecimento em Lisboa para táxis.

Nos últimos dois anos e meio a rede da petrolífera cresceu 80 postos, tendo atingido agora, um ano e meio antes do prazo previsto, as quatro centenas. Em 2015 a BP Portugal incorporou os 21 postos de abastecimento da Avia na sua rede de distribuição.
cotacao A BP Portugal está a caminho de celebrar o terceiro ano sem nenhum acidente ou incidente.

Simples na BP não quer dizer combustíveis iguais aos dos hipermercados. É essa a nossa interpretação da lei. 
Pedro Oliveira Presidente da BP Portugal
Já a quota de mercado - de 17% em 2015 - teve um incremento neste período de dois pontos percentuais, disse o responsável. Isto, segundo Pedro Oliveira, com os pilares que a empresa definiu há dois anos e meio que iria trabalhar: a fidelização de clientes, com a criação de um programa com o Pingo Doce, e a qualidade do produto.

O presidente da BP Portugal não tem dúvidas que a parceria com o grupo Jerónimo Martins com o cartão "Poupa Mais" resultou num aumento do número de clientes e de quota de mercado para ambos os grupos. Relativamente ao produto, o responsável realça que a BP é a única companhia que tem fórmulas em toda a sua gama de combustíveis". Para Pedro Oliveira, "simples na BP não quer dizer combustíveis iguais aos hipermercados. É essa a nossa interpretação da lei".

Atenta a oportunidades

O mercado português tem, comparado com a média europeia, mais postos de abastecimento de combustível por habitante. Por isso, mais do que construir novos postos, a estratégia de crescimento passa por analisar oportunidades de aquisição de postos ou redes pequenas.

Dos cerca de 2.700 postos que existem em Portugal, metade não são propriedade das companhias, mas dos revendedores. E a BP Portugal, diz Pedro Oliveira, é a petrolífera que tem o maior peso de postos não próprios. Como explicou, o grupo gosta de controlar os activos em que encontre potencial de desenvolvimento de loja. "Quando esses factores não são críticos não temos problema em trabalhar numa lógica de revendedores".

"Estamos focados na qualidade e na segurança das nossas operações nos combustíveis líquidos e lubrificantes", frisou o responsável, descartando a possibilidade de a empresa voltar ao segmento do gás, negócio que por decisão estratégica do grupo britânico alienou no primeiro semestre de 2014.

Em Oeiras desde 2000

No ano 2000 a BP Portugal mudou-se do centro de Lisboa, para o Lagoas Park, no concelho de Oeiras. "Achámos que as condições que nos dava, este parque especificamente, iam ao encontro de uma maior produtividade e felicidade dos nossos colaboradores", explicou Pedro Oliveira. "Gostamos de estar em Oeiras e vamos continuara estar em Oeiras", frisou o responsável do grupo que na área da responsabilidade social está neste momento a desenvolver programas não só com a autarquia mas com empresas do concelho, "em breve verão a luz do dia".

Mais notícias