Weekend Inês Barahona: A democracia é como o amor, tem de se alimentar todos os dias
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Inês Barahona: A democracia é como o amor, tem de se alimentar todos os dias

Durante um ano e meio, Inês Barahona e Miguel Fragata, fundadores da companhia de teatro Formiga Atómica, contactaram centenas de adolescentes. O resultado está no espectáculo “Montanha-Russa”, no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, entre 9 e 27 de Março.
Inês Barahona: A democracia é como o amor, tem de se alimentar todos os dias
Miguel Baltazar
Lúcia Crespo 02 de março de 2018 às 14:00

No espectáculo "The Wall", Inês Barahona e Miguel Fragata, fundadores da companhia de teatro Formiga Atómica, separavam a plateia de adultos da plateia de crianças. Queriam desconstruir o muro entre grandes e pequenos.)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 02.03.2018

A casa dos partidos

Anda para aí muita gente distraída que parece confundir democracia com partidocracia, que tem sido má de mais para tanto sacrifício e sofrimento. É por estas e por outras que os palermas continuam a perder o que de bom tinham, de que não sabem ou não se apercebem...

KANEKO 02.03.2018

Pois é, a democracia é mesmo muito cara e para a alimentar os contribuintes são obrigados a pagá-la, e bem, com muitos milhoes de euros todos os anos à custa do seu trabalho, porque ela tem um apetite voraz e insaciável.

Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub