Economia O que esperar do novo ano? 18 perguntas para 2018

O que esperar do novo ano? 18 perguntas para 2018

Diz a sabedoria popular que quem é prevenido vale o dobro. Com um novo ano à porta, o Negócios perspectiva o que vai mudar na economia, nos salários, nos impostos, no emprego ou na política monetária.
A carregar o vídeo ...
Negócios 01 de janeiro de 2018 às 12:00
Abordamos aqui 18 grandes questões que vão dominar 2018, como a legislação laboral, a robotização, os efeitos da seca e a descentralização. Vamos também à política, a doméstica e a internacional, num ano em que se vão discutir alterações profundas na Zona Euro. Entre nos títulos e veja o que esperar de 2018.

1 . Como é que a economia vai crescer em 2018?
A economia portuguesa continuará a crescer acima da média da última década e meia, mas a um ritmo mais modesto do que em 2017. Para o próximo ano, a procura interna deverá dar uma ajuda tão grande como as exportações. 

2. O défice e a dívida vão descer o suficiente em 2018?
Que o défice e a dívida vão continuar a cair em 2018, não parece haver grandes dúvidas. Mas a melhoria dos dois indicadores será suficiente face à situação das contas públicas portuguesas e dos compromissos do Governo com a Comissão Europeia?

3. O turismo e o imobiliário vão manter a dinâmica em 2018?
No turismo, a tendência tem sido de subida a dois dígitos e a perspectiva para 2018 é que os números de 2017 sejam ultrapassados. No imobiliário, os empreendimentos turísticos e centros comerciais podem protagonizar as grandes operações no próximo ano.

4. O que vai mudar nos principais impostos em 2018?
2018 será um ano de estabilização ou redução da carga fiscal para a generalidade dos agentes económicos. Uma das excepções é dirigida às  empresas mais lucrativas, que vão ser chamadas a um esforço suplementar.  

5. Como vai funcionar a geringonça em 2018?
O ambiente de pré-campanha eleitoral que se vive ameaça marcar 2018, um ano em que nem sequer há eleições. Com o programa praticamente cumprido e as contas públicas arrumadas, parecem sobrar as diferenças. 

6. Os efeitos da seca vão continuar a sentir-se em 2018?
Janeiro arranca seco, com precipitação abaixo do normal para a época, e o Inverno será ameno. Com 80% do território nacional em seca severa ou extrema, serão precisos meses de chuva para que o nível da água nas barragens volte a subir. 

7. A descentralização avança em 2018?
O Governo tinha-se comprometido a descentralizar dezenas de competências para os municípios até às eleições autárquicas. Mas os atrasos na nova Lei das Finanças Locais atiraram o processo para o próximo ano.

8. Os salários vão subir?
Aumento do salário mínimo, regresso das progressões na Função Pública e descida do IRS vão ajudar a subir salários líquidos. Estudo da Mercer a 333 empresas, a maioria multinacionais, antecipa aumentos de 2% em 2018.

9. A robotização e a inteligência artificial vão acelerar em 2018? 
Haverá cada vez mais processos, aplicações e produtos com inteligência artificial. Mas ainda se antecipam efeitos positivos. Até porque haverá emprego criado para responder a estes desenvolvimentos tecnológicos.

10. A lei laboral vai mudar?
Combate à precariedade e limitações aos contratos a termo estão entre as prioridades do Governo.

11. 2018 será o ano da grande inversão da política monetária?
O próximo ano deverá confirmar a estratégia já iniciada em 2017 de inversão das políticas de estímulo nas principais economias avançadas.

12. Vai haver mais dinheiro para as empresas em 2018?
A aceleração na execução dos fundos comunitários vai sentir-se "de forma mais vincada em 2018", promete o Governo, que assumiu o objectivo de atingir os 2 mil milhões de pagamentos às empresas até final do ano. 

13. Como vão evoluir as taxas de juro?
As prestações da casa não deverão registar grandes oscilações, num ano em que os juros dos depósitos vão permanecer perto de zero.

14. O que se espera para os mercados em 2018?
O próximo ano deverá trazer mais boas notícias para os investidores, com o ambiente de recuperação económica a favorecer os activos de risco. Mas há alguns riscos que podem ameaçar a tranquilidade dos mercados. 

15. A Zona Euro vai mudar em 2018?
A Zona Euro deverá mudar, mas as expectativas são baixas. Na versão minimalista e mais provável, a união bancária dá mais um passo; na versão mais ambiciosa haveria acordo sobre uma capacidade orçamental comum.

16. O problema do malparado na banca vai ficar resolvido?
O último ano foi de diminuição do peso dos activos não rentáveis, como crédito malparado. Não chega. Não houve veículo, mas há uma plataforma. Só que cada banco tem de seguir o seu plano individual. O que leva tempo. 

17. Portugal vai beneficiar em 2018 com as mudanças em Angola?
Portugal rejubilou com a onda de exonerações promovida por João Lourenço. Passada a euforia fica uma certeza. Enquanto não se encerrar o caso Manuel Vicente, as relações bilaterais vão continuar no congelador.

18. O mundo vai ficar mais perigoso?
O tabuleiro geopolítico mundial continuará a ter no Médio Oriente e na península coreana focos de ameaças. Mas o reformismo interno na Arábia Saudita e as eleições italianas serão focos de apreensão com consequências desconhecidas.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

A QUEM PEDIR CONTAS,NA JUSTIÇA????
METI 2 PROCESSOS POR NAO PAGAMENTO DE RENDAS ,HA´9 MESES,NUMA ADVOGADA,PARA DESPEJO....HA´9 MESES ,E AINDA NAO TIVE RESPOSTA...AFINAL ESTE GOVERNO GOVERNA,PARA OS VIGARISTAS...QUE NAO PAGAM AS RENDAS.OU NAO TEM MAO NA JUSTIÇA.
RESPONDAM-ME,SR 1º MINISTRO.

General Ciresp Há 2 semanas

A gerigonca faz lembrar os bancos portugas logo apos o 25 de abril.esticando ate ao ano 2008.Sempre deram lucros,iam a consulta medica(stress test)tudo no melhor.Aparece a gripe de 2008 fomos unanimes em dizer q afinal os bancos vendiam-nos apenas e so ILUSOES.Tarde de mais,assim se passa c a gerigo

pub