Conjuntura Crescimento da Zona Euro revisto em alta para 2,2% no segundo trimestre

Crescimento da Zona Euro revisto em alta para 2,2% no segundo trimestre

Portugal cresceu acima da média da Zona Euro, apesar de o PIB dos países da moeda única ter sido revisto em alta.
Crescimento da Zona Euro revisto em alta para 2,2% no segundo trimestre
Bloomberg
Tiago Varzim 14 de agosto de 2018 às 10:12
O Eurostat reviu em alta o crescimento económico da Zona Euro no segundo trimestre, passando de 2,1% na primeira estimativa para 2,2%, em termos homólogos, nos dados divulgados esta terça-feira, 14 de Agosto. No primeiro trimestre a Zona Euro tinha crescido 2,5%. 

Apesar da revisão em alta, Portugal cresceu acima da média dos países da moeda única uma vez que a economia portuguesa avançou 2,3% face ao segundo trimestre do ano passado.
Em cadeia, aconteceu uma revisão semelhante. Em vez dos 0,3% inicialmente divulgados, o Eurostat diz agora que, no segundo trimestre, a Zona Euro cresceu 0,4% face ao primeiro trimestre. Este é o mesmo crescimento em cadeia que tinha sido registado no primeiro trimestre.

No total dos 28 Estados-membros, o crescimento homólogo do PIB também foi de 2,2% e em cadeia de 0,4%. No primeiro trimestre tinha sido 2,4%. 

Numa comparação com os Estados-membros para os quais já há números - cerca de 21 dos 28 - é possível concluir que o crescimento do PIB em Portugal é inferior ao de 13 países da União Europeia. No entanto, esta comparação tem limitações: a maior parte dos Estados-membros que está a crescer acima da economia portuguesa são países com economias menos desenvolvidas, nomeadamente da Europa de leste.

Esse é o caso de países como a Letónia (4,2%), Roménia (4,2%) e a Eslováquia (3,9%) que registam crescimentos semelhantes àqueles que se registaram em Portugal no final do século passado. Mas também há economias desenvolvidas a crescer bem acima de Portugal: a Suécia, por exemplo, cresceu 3,3%, a Polónia 5% e Espanha 2,7%.

As economias que crescem menos em termos percentuais são as mais desenvolvidas. É o caso da Alemanha, o principal motor da economia europeia, onde o PIB cresceu 2%, abaixo da média da Zona Euro. Mas é também o caso do Reino Unido (1,3%), de Itália (1,1%), de França (1,7%), da Bélgica (1,3%) e da Dinamarca (0,8%). 

Há sete Estados-membros para os quais neste momento não há valores. 

(Notícia actualizada às 10:25)



pub