Conjuntura Peso da casa própria na riqueza total separa ricos da classe média em Portugal

Peso da casa própria na riqueza total separa ricos da classe média em Portugal

Para a maior parte dos portugueses, a casa em que vivem é o seu maior ativo. Mas tal não é verdade para os 20% mais ricos em Portugal onde outros imóveis e a empresa própria têm muito mais peso do que na classe média e baixa.
Tiago Varzim 13 de novembro de 2019 às 13:01

Há um fator que separa a riqueza da maior parte dos portugueses da dos mais ricos: a importância da casa própria no total dos ativos. Enquanto na classe média e baixa a casa própria corresponde a mais de dois terços da riqueza, nos mais ricos o peso desce para um terço do total. Tal é justificado pelo peso de outros bens imóveis (segunda casa) e do negócio próprio, segundo os dados do Inquérito à Situação Financeira das Famílias de 2017 publicado esta quarta-feira, 13 de novembro.

Esta é uma diferença muito visível nos dados (ver gráfico) divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e o Banco de Portugal. "A importância primordial da residência principal na riqueza é comum à maioria das famílias", começam por explicar as duas entidades responsáveis pelo inquérito. Este é de facto o ativo mais importante dado que uma percentagem "elevada" (74,5%) de famílias portuguesas tem casa própria, com um valor mediano de 99,7 mil euros.

É comum a toda a sociedade, mas com graus de importância diferentes. Em 2017, a casa própria representava mais de 65% dos ativos reais (propriedades imobiliárias, veículos motorizados, participações em negócios por conta própria e outros bens valiosos) em todas as classes exceto na mais elevada. "No conjunto dos 10% de famílias com riqueza líquida mais elevada, os negócios por conta própria eram o ativo real com maior peso (35,4%), seguidos da residência principal e dos outros imóveis (com um peso de 30,8% e 30,7%, respetivamente)", explica o destaque. 

Entre os 10% mais ricos, 73,5% das famílias detinha outros imóveis (com um valor mediano de 198,6 mil euros) e 43% um negócio próprio (com um valor mediano de 164 mil euros). Essas percentagens descem para 29,2% (50 mil) e 14,1% (23,7 mil) no conjunto das famílias portuguesas. 

Enquanto na maior parte das classes os carros próprios correspondem a uma fatia importante da riqueza total dessas famílias, no caso dos mais ricos esse valor é residual. 

Esta divergência entre os ativos reais dos agregados familiares nas várias classes permite explicar, em grande parte, a desigualdade da distribuição da riqueza líquida - ativos menos a dívida - registada em Portugal. Os 20% mais ricos detêm quase 70% da riqueza do país ao passo que os 20% mais pobres apenas ficam com 0,1%.

Investimento e situação de trabalho mostram divergência
A mesma diferença é visível na forma como as famílias das diferentes classes investem e na situação de trabalho do indivíduo de referência do agregado familiar.

No caso do investimento, apesar de a diferença não ser tão expressiva como no caso anterior, à medida que a riqueza total aumenta maior é fatia de investimento nos restantes ativos financeiros, o que inclui ações, obrigações (excluindo Estado) ou fundos de investimento, por exemplo.

No conjunto da população, representam 8,3% do total dos investimentos, o que reflete a aversão ao risco retratada em outros inquéritos, mas "o peso dos restantes ativos financeiros atinge um valor máximo na classe de maior riqueza líquida (22%)", nota o destaque. 

Pelo contrário, os depósitos à ordem correspondem à maior fatia (52,4%) do investimento na classe mais baixa, baixando progressivamente até valores residuais (em termos percentuais) nas classes mais altas. 

Na situação dos ativos financeiros das famílias há uma maior transversalidade entre os portugueses na aposta maioritária em depósitos a prazo e dívida do Estado (58,1% do total do investimento), dois investimentos com um nível de risco maioritariamente reduzido.

Sem surpresas, quanto à situação de trabalho, verifica-se que a riqueza líquida "é mais elevada nas famílias que têm um maior nível de rendimento, nas famílias em que o indivíduo de referência é trabalhador por conta própria ou completou o ensino superior". Seguem-se os reformados e só depois os trabalhadores por contra de outrem. Os desempregados são os que têm menor riqueza líquida. 

Portuguesas são mais desiguais nos ativos do que na dívida
Uma das outras conclusões deste inquérito é que "a distribuição dos ativos por classes de riqueza líquida é mais desigual do que a da dívida". Ou seja, a riqueza e a dívida não são proporcionais em Portugal.

Na prática, o que os dados mostram é que os mais pobres têm uma fatia da dívida total das famílias portuguesas bastante superior à fatia que têm do total de ativos reais ou financeiros. E o inverso acontece nos mais ricos.


Vamos aos números, nas palavras do INE e do BdP: em 2017, as famílias pertencentes ao conjunto das 20% com riqueza líquida mais baixa detinham 1,4% dos ativos reais totais, 1,2% dos ativos financeiros totais e 10% do valor total da dívida. Já o conjunto das 20% com riqueza líquida mais elevada detinha 63,6% dos ativos reais totais, 68,7% dos ativos financeiros totais e 29,5% do valor total da dívida.

É isso que permite concluir que "a elevada assimetria da distribuição da riqueza líquida reflete uma distribuição dos ativos por classes de riqueza líquida mais desigual do que a da dívida".




pub

Marketing Automation certified by E-GOI