Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Vacina da Pfizer já não precisa de temperaturas mais baixas que as do Ártico

Esta notícia chega no mesmo dia em que um estudo israelita aponta para que a primeira dose desta vacina possui 85% de eficácia na prevenção de novas infeções com sintomas.

EPA
Negócios jng@negocios.pt 19 de Fevereiro de 2021 às 14:53
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A vacina da Pfizer, que até agora se pensava que tinha de ser armazenada em temperaturas mais baixas que o inverno do Ártico, afinal pode ser mantida em temperaturas menos extremas, o que vai facilitar a distribuição.

As empresas que fabricaram a vacina, Pfizer e BioNTech, submeteram dados ao regulador norte-americano, os quais mostram que a vacina pode ser mantida a temperaturas que vão dos 25º centígrados (ºC) negativos aos -15ºC, durante duas semanas.

Estes números comparam com os valores anterior de -60ºC a -80ºC que eram exigidos para que a mesma vacina se mantivesse em condições.

Esta alteração acrescenta uma "muito maior flexibilidade" no que toca ao armazenamento, explica o CEO da BioNTech, Ugur Sahin. Este afirma que a empresa continua a investigar formas de tornar a vacina "mais fácil de transportar e de usar".

Esta notícia chega no mesmo dia em que um estudo israelita, publicado na revista científica The Lancet, aponta para que a primeira dose desta vacina – que estará completa com duas doses – já tem 85% de eficácia na prevenção de novas infeções com sintomas após um período de 15 a 28 dias desde o momento da inoculação. Este estudo contou com a participação de 9000 trabalhadores hospitalares.

Ver comentários
Saber mais Pfizer Ártico BioNTech saúde ciência e tecnologia questões sociais Investigação científica
Outras Notícias